Edição digital
Assine já
    PUB
    Construção

    Governo recupera regime fiscal dos residentes não habituais

    Em causa está um novo regime de atração de talento, apelidado de IFICI+, que é uma das 60 medidas apresentadas esta quinta-feira pelo Governo no pacote para dinamizar a economia, e tem por base o antigo regime para os residentes não habituais

    CONSTRUIR
    Construção

    Governo recupera regime fiscal dos residentes não habituais

    Em causa está um novo regime de atração de talento, apelidado de IFICI+, que é uma das 60 medidas apresentadas esta quinta-feira pelo Governo no pacote para dinamizar a economia, e tem por base o antigo regime para os residentes não habituais

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Matosinhos lança três concursos para habitação social por 31M€
    Construção
    Concurso: Primeira fase da Linha de Alta Velocidade com duas propostas
    Construção

    O regime fiscal dos residentes não habituais vai ser reintroduzido, através de uma portaria, pelo que não será necessário passar pelo parlamento, avançou hoje o ministro das Finanças.

    Em causa está um novo regime de atração de talento, apelidado de IFICI+, que é uma das 60 medidas apresentadas esta quinta-feira pelo Governo no pacote para dinamizar a economia, e tem por base o antigo regime para os residentes não habituais.

    “O Governo anterior, no Orçamento do Estado para 2024, criou uma norma no estatuto dos benefícios fiscais”, recordou Joaquim Miranda Sarmento, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, enquanto o executivo vai agora regulamentar a medida através de uma portaria.

    “Vamos regulamentar através de uma portaria essa norma, abrangendo exclusivamente os rendimentos de categoria A e B, que passarão a ter uma taxa de 20% para não residentes que passem a residir em Portugal e que não tenham residido nos últimos cinco anos nem estejam neste momento a beneficiar do anterior regime que foi criado em 2009”, disse o ministro das Finanças.

    O ministro das Finanças já tinha falado sobre esta medida numa entrevista ao Financial Times, publicada hoje, onde sinalizou que “vai excluir dividendos, mais-valias e pensões, o que era um problema entre Portugal e países como a Finlândia ou a Suécia”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    Construção

    Governo já transferiu mais de 29M€ para a construção do Hospital Central da Madeira

    No documento, o Tribunal de Contas deixa duas recomendações à Secretaria Regional de Equipamentos e Infraestruturas que, conjuntamente com a Secretaria Regional das Finanças, identifique, de forma desagregada, os montantes afetos, despendidos e programados em cada uma das vertentes do projeto do Hospital Central e Universitário da Madeira

    O Governo da República já transferiu mais de 29 milhões de euros para a construção do Hospital Central e Universitário da Madeira. No relatório publicado esta sexta-feira pelo Tribunal de Contas é ainda possível ler que até Agosto de 2023, não foram identificadas irregularidades financeiras nas obras.

    No documento, o Tribunal de Contas deixa duas recomendações à Secretaria Regional de Equipamentos e Infraestruturas que, conjuntamente com a Secretaria Regional das Finanças, identifique, de forma desagregada, os montantes afetos, despendidos e programados em cada uma das vertentes do projeto do Hospital Central e Universitário da Madeira.

    A segunda recomendação é a de que promova o cumprimento dos prazos de pagamento definidos contratual e legalmente, evitando pagamentos em atraso. Conclusões e recomendações presentes no relatório da auditoria À primeira fase de construção do Hospital Central e universitário da Madeira, publicado hoje pelo Tribunal de contas.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    LG lança frigoríficos que “combinam com todos os tons”

    Os novos frigoríficos podem activar a tecnologia MoodUP e assim escolher entre 170 mil combinações de cores nos painéis LED das portas dos frigoríficos

    Com ecrãs LED, tecnologia InstaView e um controlo conveniente via app, os novos frigoríficos LG InstaView com MoodUP prometem “revolucionar” o design de qualquer cozinha portuguesa. A gama de frigoríficos, que mudam de cor, antecipa, uma experiência culinária “inteligente e personalizável” para quem deseja expressar o seu humor e gosto pessoal na cozinha.

    Seja o Americano 4 Portas (modelo GMV960NNME) ou o Combinado (modelo GBG719MDNN), estes frigoríficos interactivos da LG permite, através da app ThinQTM, activar a tecnologia MoodUP e assim escolher entre 170 mil combinações de cores nos painéis LED das portas dos frigoríficos para criar um look diferente na cozinha.

    Paralelamente, os novos modelos também incorporam o distintivo painel InstaView da LG, que tem a capacidade de aumentar a conveniência e eficiência energética, já que permite que os utilizadores vejam o interior do frigorífico sem terem de abrir a porta.

    Além disso, estes electrodomésticos estão equipados com uma coluna bluetooth com duas saídas que permite que os utilizadores possam reproduzir músicas e podcasts a partir das suas apps de streaming.

    Além disso, também, o Party Mode permite que a iluminação LED dos frigoríficos pulse em sintonia com a batida da música. Por sua vez, o recurso Color Alarm optimiza a interacção, comunicando com os utilizadores ao fazer com que os painéis LED das portas pisquem ou brilhem mais intensamente em situações específicas.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Deco Proteste desenvolve simulador de painéis solares fotovoltaicos

    Para aconselhar da melhor forma possível, são tidos em conta os dados de consumo eléctrico do lar, assim como detalhes como o tipo de habitação, a região onde se reside, o perfil de consumo de electricidade , a permanência na habitação, a posse de veículo elétrico e a regularidade do respectivo carregamento

    Portugal é um País com muito potencial na produção de electricidade a partir de energia solar. No entanto, este potencial ainda está muito aquém das possibilidades que um País de sol oferece. Até 2030, a produção gerada através dos telhados do cidadão comum terá de atingir 2,3 GWh, uma meta ambiciosa que precisa de um grande esforço colectivo.

    A partir desta quinta-feira, dia 18 de Julho, a Deco Proteste contribui para que esta escolha seja o mais informada possível para os consumidores através da disponibilização de uma ferramenta que ajuda os portugueses a escolherem as melhores soluções de painéis solares fotovoltaicos.

    O novo simulador de sistemas fotovoltaicos aconselha os consumidores sobre o número de painéis a adquirir, comparando preços, com o objectivo de “proporcionar poupanças efectivas na factura da electricidade”.

    Sendo já muitos os portugueses que procuram sistemas solares fotovoltaicos para autoconsumo, os preços dos painéis têm vindo a descer significativamente ao longo dos anos. Neste sentido, a escolha de um sistema adequado, cada vez mais acessível, requer um dimensionamento preciso e uma selecção de equipamentos eficientes.

    Para aconselhar da melhor forma possível, são tidos em conta os dados de consumo eléctrico do lar, assim como detalhes como o tipo de habitação, a região onde se reside, o perfil de consumo de electricidade , a permanência na habitação, a posse de veículo elétrico e a regularidade do respectivo carregamento.

    Cruzadas todas estas informações, é indicada a melhor solução fotovoltaica e sugestões tendo em conta o perfil de cada um. No resultado da simulação, que aconselha um número de painéis específico e que se pretende ser o mais acurada possível, são também tidas em conta questões como a forma como devem ser colocados, o valor de produção de electricidade e o custo indicativo dos painéis, acessórios e mão-de-obra. Se o consumidor quiser ser ainda mais específico, pode personalizar o seu próprio consumo e o preço por kWh.

    No final, é apresentada a melhor solução, o investimento indicativo necessário e o período de retorno do mesmo, obtido através da divisão do custo pela poupança anual. A poupança é calculada a partir da quantidade de energia consumida que se estima que possa ser fornecida pelo sistema, evitando o custo de eletricidade que teria de vir da rede. Este valor é multiplicado por um preço médio por kWh, resultando na poupança apresentada.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Edição Digital

    A expansão do Metro Sul do Tejo, a aposta da RAR no Porto e o Dossier de Cozinhas e Espaços de Banho em destaque no CONSTRUIR 511

    Os planos de expansão do Metro Sul do Tejo até à Caparica tem novos desenvolvimentos. Fique por dentro dos trabalhos, numa edição onde lhe mostramos a nova proposta da RAR para o Porto, o projecto com que Carvalho Araújo ganhou concurso no País Basco e um dossier completo dedicado a Cozinhas e Espaços de Banho

    Metro chegará à Caparica e Trafaria na próxima década
    A Câmara de Almada, o Metropolitano de Lisboa e a TML assinaram um protocolo para a elaboração do projecto de expansão do Metro Sul do Tejo até à Costa de Caparica e Trafaria, passando por Santo António e São João. Obras deverão arrancar dentro de cinco a sete anos, segundo o ministro das Infraestruturas, Pinto Luz

    “Seenergy” cria mobiliário que dá energia
    Ainda em fase de protótipo, a “Seenergy” utiliza células solares sensibilizadas por corantes que imitam o processo de fotossíntese nas planas

    Carvalho Araújo assina sedes do EDA & Wine Campus
    O Basque Culinary Center publicou o concurso de projectos de arquitectura para as duas sedes. O júri destacou a singularidade da proposta e a integração com a envolvente

    RAR aposta no Montebello Villas
    Investimento de 24 milhões de euros, leva a “visão e o engenho” do arquitecto Nuno Valentim à Foz Velha do Porto. O Montebelo Villas faz a “reinterpretação” da casa já existente com o conjunto de novas moradias

    Dossier Cozinhas
    e Espaços de Banho

    A procura no mercado por soluções cada vez mais sustentáveis é hoje uma realidade. São inúmeras as soluções disponíveis e que hoje se apresentam com conectividade e com IA integrada

    A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

    Para mais informações contacte: Graça Dias | gdias@workmedia.pt | 215 825 436

    Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 511

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    @ Miguel Nogueira

    Construção

    Reabilitação de prédio em Campanhã vai reforçar oferta de habitação acessível

    Investimento, que supera os 1,7 milhões de euros, permite intervenção que acrescenta oito fogos ao parque habitacional da Porto Vivo, SRU

    CONSTRUIR

    O Município do Porto, através da Porto Vivo, SRU, está a reabilitar um prédio na Rua de Matias de Albuquerque, situado na freguesia de Campanhã. O investimento, que supera os 1,7 milhões de euros, permite intervenção que acrescenta 8 fogos ao parque habitacional da Porto Vivo, SRU.

    O investimento, integralmente suportado pelo Plano de Recuperação e Resiliência, vai acrescentar 8 fogos ao mercado de arrendamento acessível, com quatro fracções de tipologia T2 e quatro de tipologia T3.

    Originário da década de 70 do século passado, o edifício encontrava-se em razoável estado de conservação, havendo, no entanto, sinais de deterioração provocados pelo decurso do tempo. As obras incluem uma readaptação à função habitacional, uma vez que a estrutura esteve afecta, ao longo dos últimos anos, à utilização enquanto Centro de Saúde.

    Da autoria da arquitecta Diana Martins, o projecto prevê a existência de maior ventilação e iluminação interior, bem como a abertura das varandas existentes. Também o impacto urbanístico foi considerado nos trabalhos em curso, estando prevista a demolição dos anexos e a criação de um jardim.

    Os trabalhos em curso estarão concluídos até Junho de 2026.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Troino, Setúbal

    Construção

    Setúbal abre concursos de empreitada no valor de 1,4M€

    A Câmara Municipal de Setúbal aprovou em reunião pública, a abertura de concursos públicos para a requalificação da Avenida de Moçambique e da Rua Eng.º Henrique Cabeçadas, no valor total superior a 1 milhão e 400 mil euros

    CONSTRUIR

    Os procedimentos para as empreitadas “Requalificação de Infraestruturas e Pavimentos na Av. de Moçambique – Setúbal” e “Requalificação de Infraestruturas e Pavimentos na Rua Eng.º Henrique Cabeçadas”, ambas a realizar no Bairro do Liceu, têm os preços-base fixados em 564 mil e em 824 mil, 725 euros e 77 cêntimos, respectivamente, aos quais acresce a taxa de IVA.

    As duas obras inserem-se num projecto do município para requalificar os principais eixos viários da cidade, tendo cada empreitada um prazo máximo de execução de 150 dias e os interessados 21 dias para apresentarem propostas ao concurso.

    A empreitada na Avenida de Moçambique destina-se a requalificar infraestruturas e pavimentos entre a Avenida Dr. António Rodrigues Manito e a Rua Eng.º Henrique Cabeçadas, com a execução de uma rotunda na ligação entre as duas avenidas, eliminando o actual entroncamento com semáforos. O reperfilamento da Avenida de Moçambique permite criar mais lugares de estacionamento, maioritariamente transversais, e implantar recortes para paragem de autocarros, além de os passeios serem requalificados e alargados, estando ainda prevista a requalificação e criação de passadeiras para peões.

    Vão igualmente ser feitas uma ciclovia ao longo de toda a extensão do arruamento, que permitirá a circulação entre a futura ciclovia da Avenida Dr. António Rodrigues Manito e o Parque Urbano da Várzea, e intervenções na rede de drenagem pluvial e na iluminação pública, mantendo-se todas as árvores existentes com excepção de quatro.
    A obra na Rua Eng.º Henrique Cabeçadas tem também por objecto a requalificação de infraestruturas e pavimentos, bem como a construção de uma nova rotunda na intersecção com a Avenida de Moçambique e a execução de uma ciclovia adjacente ao Parque Urbano da Várzea e respectiva ligação à prevista para a Avenida de Moçambique.

    Será colocada sinalização horizontal e vertical, além de serem feitas intervenções na rede de drenagem, com relocalização dos órgãos de recolha das águas da chuva, e executado um troço de colector pluvial para garantir a ligação dos novos sumidouros que vão ser criados na zona norte do arruamento.

    Além da abertura dos concursos públicos para a contratação das empreitadas, fundamentada com a “impossibilidade de satisfação da necessidade por via de recursos próprios da autarquia”, a Câmara Municipal aprovou igualmente os respectivos programas do procedimento, cadernos de encargos e projectos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Focus Group e Prospectiva ganham loteamento do Casal do Pinto

    Numa área de 66.958m2, na Freguesia do Beato, vai ser criado um Parque Urbano de 3 hectares e a criação de 42 lotes na sua grande maioria para o uso habitacional. O concurso público lançado pela autarquia de Lisboa para a elaboração do projecto de loteamento do Casal do Pinto foi ganho pelo Focus Group, em consórcio com o gabinete Prospectiva

    CONSTRUIR

    O Focus Group, em consórcio com o gabinete Prospectiva, venceu o concurso promovido pela Câmara Municipal de Lisboa, para a elaboração do projecto de operação de loteamento do Casal do Pinto. Trata-se de uma área de 66.958m2, na Freguesia do Beato, actualmente sem função nem uso, situada numa encosta virada a nascente/sul no antigo Vale da Quinta da Conceição, outrora zona de produção agrícola, que ao longo dos anos se converteu num enorme vazadouro ilegal, mas que se pretende, agora, seja transformada numa nova área habitacional na Cidade de Lisboa.

    Um novo parque verde com quase 3 hectares
    O «novo bairro», estará dotado de um parque urbano e um espaço público de grande relevância, procurando ter um papel importante na revitalização da zona – moldada por um misto de empreendimentos para a classe média e habitação social -, criando zonas de recreio, contemplação e de hortas urbanas.

    O loteamento servirá para colmatar a malha urbana existente do Bairro da Picheleira, com a criação de 42 lotes na sua grande maioria para o uso habitacional, com uma capacidade máxima de construção de 22.679 m2.
    Para além do projecto de loteamento está também previsto o projeto das obras de urbanização com uma área 76.079 m2, onde será desenvolvido o projeto do Parque da Quinta da Conceição com área aproximada de 2,6ha.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Coldwell Banker vende Chalet Mayer em Sintra

    A Coldwell Banker vendeu o Chalet Mayer, em Sintra. Projetado pelo arquiteto italiano Luigi Manini no século XIX, o histórico conjunto de edifícios vai ser transformado num boutique hotel. O negócio superou a marca de um milhão de euros

    CONSTRUIR

    O Chalet Mayer foi comercializado por um valor que superou a marca do um milhão de euros, tendo sido mediado pela Coldwell Banker Luxus. A imobiliária, que também conta no seu portfolio com o Paço dos Ribafria em Sintra, mais conhecido por Casa Pombal, o historiado palacete que pertenceu ao Sebastião José de Carvalho e Mello, Conde de Oeiras e Marquês de Pombal, vê mais um edifício histórico ser vendido, depois de, em Novembro de 2023, ter transacionado também uma das mais emblemáticas propriedades de Sinta, a Quinta de Santo António da Serra, obra do reputado arquitecto Vasco Regaleira.

    Situado na situada numa zona Área de Reabilitação Urbana (ARU) e classificado como edifício de conservação, o chalet será objecto de obras de reabilitação destinados a preservar a identidade e integridade do edifício. Construído em 1897, o edifício é um exemplo da arquitectura da época e testemunho da opulência da alta aristocracia da época.

    Projectado pelo arquitecto, pintor e cenógrafo italiano Luigi Manini, famoso pelo seu trabalho em edifícios icónicos como o Teatro S. Carlos, o Teatro D. Maria II e a Quinta da Regaleira e o Palácio de Buçaco.

    Adquirido em 1927 por José Mayer, que deu o nome ao Chalet e herdado por seus filhos, Augusto e Ivo Mayer. O Chalet Mayer foi o palco na qual estes irmãos viveram um impacto significativo na cultura e música portuguesa, especialmente no jazz. Como sócios fundadores do Hot Club de Portugal, registaram momentos históricos de visitas e concertos de grandes nomes do jazz em Portugal, como Sidney Bechet, Count Basie e Louis Armstrong.

    “Estamos extremamente orgulhosos de poder trabalhar em edifícios históricos como o Chalet Mayer. Estas Casas com História são de grande importância para uma marca como a Coldwell Banker, que procura preservar e fazer crescer seus 118 anos de história”, afirma a propósito da venda Frederico Abecassis CEO da Coldwell Banker Portugal. “Como a imobiliária mais antiga do mundo, temos um compromisso acrescido de honrar a herança e a integridade dos imóveis que representamos, assim como de garantir que estes pedaços da nossa cultura são preservados e reconhecidos”, conclui Frederico Abecassis.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Santos House é a próxima abertura da Ando Living em Portugal

    A reabilitação de um edifício com quase 400 anos de história no bairro lisboeta de Santos vem acrescentar 33 novas unidades de alojamento à marca de hospitalidade. Os portugueses estão entre os principais compradores dos apartamentos.

    CONSTRUIR

    Ao mesmo tempo que continua a sua expansão pela Europa, com o novo edifício de apartamentos turísticos em Madrid a abrir já este ano, a marca Ando Living reforça a sua presença em Portugal, país onde foi fundada há cerca de seis anos.

    A marca de hospitalidade lifestyle que alia apartamentos turísticos com serviços a um conjunto de comodidades nos clubhouses vai inaugurar, no primeiro trimestre de 2025, o Ando Living Santos House, em Lisboa, um edifício histórico cuja reabilitação irá trazer 33 novos apartamentos de um a três quartos, elevando para mais de 150 o número total de unidades em operação.

    Actualmente a operar em Lisboa, Porto, Istambul e, brevemente em Madrid, a Ando Living tem 700 unidades de alojamento sob gestão ou em desenvolvimento, com destaque para a capital portuguesa, mas também Istambul e as localidades alentejanas de Melides e Vila Viçosa.

    O Ando Living Santos House, com 3.750 m² de área total de construção distribuída por cinco pisos, resulta da transformação de um edifício secular com uma história que remonta a 1648, quando o rei D. João IV ordenou a construção de um convento para abrigar os frades capuchinhos, recém-chegados da Bretanha, França. Passados quase 100 anos, ficou reduzido a cinzas num violento incêndio e, em 1851, foi erguido no local um novo edifício, sob a orientação de José António da Luz Robim, com as características típicas da época: grandes janelas, varandas de ferro forjado e uma impressionante fachada revestida a azulejos. Hoje o imóvel está classificado como património de interesse municipal.

    A renovação deste edifício preserva o seu carácter original, realçando a fachada de azulejos e os tectos ornamentados com 3,5 metros de altura, ao mesmo tempo que incorpora as melhores técnicas de construção antissísmica, conforto térmico e acústico e eficiência energética.

    Os interiores estão a ser criados com os padrões de qualidade e design da marca Ando Living, proporcionando a residentes e hóspedes a sofisticação e os serviços de um hotel de 5 estrelas com o conforto familiar de uma casa, num conceito de hospitalidade que procura atender aos requisitos de uma nova geração de viajantes, em trabalho ou lazer, que buscam estadias em espaços autênticos no coração da comunidade local.

    Com mais de metade das unidades já vendidas ou reservadas e preços entre os 561 mil euros e os 1,4 milhões de euros para as ainda disponíveis, os apartamentos do edifício em Santos estão a atrair muitos compradores portugueses para um modelo de negócio que lhes permite gerar rendimento ao operar o seu imóvel no mercado turístico com a equipa de gestão da Ando Living.

    “Além de ser um edifício tipicamente lisboeta que é testemunha de séculos de história e transformação na cidade, o que está a chamar os investidores portugueses, e também de outras nacionalidades, é a possibilidade de investirem num dos bairros mais dinâmicos e vibrantes da capital e continuarem a operar num mercado turístico que é dos mais atractivos do mundo mas onde existem actualmente fortes restrições no arrendamento de curta duração”, sublinha Manuela Luz, manager de vendas Portugal do Grupo Ando Living.

    “Todos os edifícios da Ando Living têm uma licença turística que permite aos proprietários operar o seu apartamento no mercado das estadias de curta, média e longa duração, com retornos que podem chegar aos 7%, ao mesmo tempo que podem usufruir dele o tempo que desejarem, de acordo com o modelo de gestão que escolherem”, acrescenta a responsável.

    Marca regista forte crescimento

    Nos próximos cinco anos, a Ando Living pretende abrir novos alojamentos noutros mercados europeus, incluindo Reino Unido, França, Itália, Grécia e Alemanha, tendo por objectivo operar 3000 unidades até 2028 e assumir a liderança no segmento dos serviced apartments na Europa.

    Um incremento em linha com a forte expansão estimada para este segmento, com projecções que apontam para um aumento de 65% nos próximos cinco anos, passando dos actuais 30 mil milhões de dólares em 2024 para os 49 mil milhões de dólares previstos para 2029.

    Com um modelo de hospitalidade diversificado, a Ando Living oferece duas opções de alojamento distintas: Clubhouses e Houses. Os Clubhouses são o coração da Ando Living e funcionam como o coração da comunidade. Aliam apartamentos premium com serviços nas melhores localizações a um conjunto de comodidades, entre as quais restaurantes, bares, ginásios, piscinas e serviços de apoio personalizados. Grande parte destes espaços – nomeadamente restaurante, bar-lounge e concept store – são acessíveis ao público, conectando residentes e hóspedes à comunidade local e convidando-os a imergir na vida de bairro e nas experiências mais autênticas que cada cidade tem para oferecer. O primeiro Clubhouse a abrir em Portugal e na Europa, será o Ando Living Liberdade Clubhouse, na segunda metade de 2025.

    As Houses são edifícios de apartamentos com serviços localizados em zonas centrais, concebidos e geridos pela Ando Living. Os hóspedes têm acesso gratuito às comodidades dos clubhouses, a uma curta distância a pé.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Em Maio, produção na construção recua na Zona Euro

    Em Maio a produção na construção recuou 2,4 % na zona euro e de 2,5 % na UE, face ao período homólogo de 2023, avança o gabinete de estatística da União Europeia, Eurostat

    CONSTRUIR

    A comparação mensal dos indicadores revela de em Maio de 2024, face ao mês anterior a produção no sector da construção, corrigida de sazonalidade, diminuiu 0,9% na zona euro e 1,0% na UE. Quando em Abril a produção no sector da construção já tinha caído 0,4 % na área do euro e mantendo-se estável na EU, de acordo com as primeiras estatísticas do Eurostat.

    Comparando o mês de Maio ao período homólogo de 2023 o gabinete de estatística da UE, aponta para um recuo de 2,4% da produção no sector da construção na zona euro, ao passo que na UE o recuo foi de 2,5%.

    Entre os países para os quais há dados disponíveis, as maiores quebras anuais registaram-se na Suécia (-7,5%), Eslovénia (-7,4%) e Alemanha (-7,0%), com a Hungria (7,3%), Bulgária (4,4%) e Dinamarca (1,1%) a registarem as únicas subidas.

    Já na comparação com Abril, a Croácia (-5,1%), Roménia (-4,1%) e Hungria (-3,8%) registaram os principais recuos e a Finlândia (1,9%), a Bulgária (1,1%), a Bélgica e a Espanha (0,3% cada) os maiores crescimentos.

    Em Portugal, a produção na construção manteve-se estável na comparação homóloga e caiu 3,3% face a Abril.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.