Edição digital
Assine já
    PUB

    Xavier Vilajoana, presidente da CONSTRUMAT

    Empresas

    “Trabalhamos para que a CONSTRUMAT seja um ponto de encontro para mostrar o presente e vislumbrar o futuro”

    Em entrevista exclusiva ao CONSTRUIR, o presidente da CONSTRUMAT explica a importância de uma maior aposta em áreas como a industrialização ou a construção em madeira, atendendo a que Portugal e Espanha estão hoje perante um cenário de transformação. Xavier Vilajoana fala da importância da presença de empresas portuguesas num evento que procura aproximar-se da referência europeia na fileira da construção

    Ricardo Batista

    Xavier Vilajoana, presidente da CONSTRUMAT

    Empresas

    “Trabalhamos para que a CONSTRUMAT seja um ponto de encontro para mostrar o presente e vislumbrar o futuro”

    Em entrevista exclusiva ao CONSTRUIR, o presidente da CONSTRUMAT explica a importância de uma maior aposta em áreas como a industrialização ou a construção em madeira, atendendo a que Portugal e Espanha estão hoje perante um cenário de transformação. Xavier Vilajoana fala da importância da presença de empresas portuguesas num evento que procura aproximar-se da referência europeia na fileira da construção

    Ricardo Batista
    Sobre o autor
    Ricardo Batista
    Artigos relacionados
    Escritórios: Primeiro semestre soma cerca de 156 mil m2 de take up
    Imobiliário
    Remax Collection e Global Key comercializam Sal D’Ouro
    Imobiliário
    Construção tradicional é actualmente “um modelo esgotado”
    Construção
    REHAU lança novos ventiloconvetores para condutas
    Empresas
    Cimpor inaugura nova fábrica nos Camarões
    Empresas
    Governo já transferiu mais de 29M€ para a construção do Hospital Central da Madeira
    Construção
    LG lança frigoríficos que “combinam com todos os tons”
    Empresas
    Lisboa: Concurso para Cooperativa de Habitação no Lumiar segue para Assembleia Municipal
    Construção
    Deco Proteste desenvolve simulador de painéis solares fotovoltaicos
    Empresas
    A expansão do Metro Sul do Tejo, a aposta da RAR no Porto e o Dossier de Cozinhas e Espaços de Banho em destaque no CONSTRUIR 511
    Edição Digital

    Ao CONSTRUIR, enquanto decorria a edição deste ano da CONSTRUMAT, o presidente do salão explicou que os expositores marcam presença no evento porque têm a garantia de que se trata de uma iniciativa de negócio, mais do que uma mostra de produtos. Xavier Vilajoana  ainda digere a edição deste ano sem, no entanto, ambicionar que o evento, promovido pela Fira de Barcelona, possa crescer tanto em espaço como qualitativamente.

    Abertas as portas da CONSTRUMAT deste ano, em que ponto do mercado estamos, da economia, no mercado deste negócio de construção?

    Estamos num bom momento. Continuamos a crescer de forma sustentada e, além disso, estamos em plena transformação. Ou seja, estamos em um momento em que é preciso construir mais e de forma mais sustentável. É necessário construir pensando no presente, mas sobretudo no futuro. E, além disso, há muitas necessidades do nosso sector, tanto a nível residencial como a nível de infraestruturas.  Portanto, estamos numa fase particularmente positiva, de crescimento. E mais: estamos numa fase de expansão tanto quantitativamente quanto qualitativamente, o que também é muito importante.

    Esta foi há alguns anos uma das melhores e maiores feiras de construção na Europa. Que caminho importa percorrer agora para recuperar esse posicionamento?
    Acho que ainda somos uma feira de referência. O que é certo é que, evidentemente, não estamos nos níveis em que estivemos no início do Século e estou certo de que esses são tempos que não voltarão mais. Mas também porque queremos voltar às origens. Procuramos ser uma Feira muito profissional, onde o networking e as oportunidades de negócio sejam muito fortes, tanto na perspectiva dos expositores como dos visitantes, mas que também seja uma montra de soluções tão transversal como era naquela altura. Aqui pode-se encontrar desde inovação em maquinaria, em materiais, novos sistemas construtivos, novas tecnologias, startups, ou seja, muitos subsectores da construção que são muito importantes estão aqui representados, neste que é um ponto de encontro para todos os que querem ver onde estamos e sobretudo para onde vamos.

    Falando com alguns dos expositores, sublinharam que esta é uma feira muito especial porque, diziam, “aqui não somos meros expositores, somos negociantes. Aqui faz-se negócio”. É assim?

    Exactamente. De facto, é um dos valores acrescentados que tem a CONSTRUMAT. Os expositores, no final, o que vêm procurar é isso. Campanhas de marketing e de promoção de marca quase todas as empresas já o fazem fora das Feiras. Portanto, aqui, principalmente, o que eles vêm procurar é negócio. E se crescemos em relação à edição anterior em 50%, é porque a resposta é muito positiva e a satisfação também. “De boca em boca” é o que melhor funciona quando se trata de uma campanha de marketing. E esperamos que a edição do próximo ano seja ainda melhor do que foi a deste ano e possamos ocupar, se possível, outro pavilhão maior. No final, se conseguirmos que os expositores e visitantes se sintam bem e estejam, pelo menos, tão satisfeitos quanto na edição anterior, eu acredito que continuaremos a crescer e poderemos voltar a ser o salão de referência de construção em Espanha e, por que não, rivalizar com outras feiras de referência na Europa como a Batimat (Paris, França) ou a Bauma (Munique, Alemanha).

    Xavier Vilajoana, presidente da CONSTRUMAT

    Percorrendo a feira, percebi que há uma mudança efectiva até ao nível dos expositores.
    Falamos de novos sistemas construtivos, construção em madeira, novos métodos de construção, industrialização da construção. Isso é mudança comum tanto em Portugal como em Espanha, desde logo porque partilhamos um problema derivado da falta de mão-de-obra. Seria também uma mudança na forma de fazer construção?

    Sim. Veja: sempre disse que este é um sector muito resiliente. Sempre foi. É um sector que sempre olhou para o futuro, sempre antecipou as necessidades do futuro, tanto da sociedade como do planeta, e a industrialização é uma parte da solução. Além disso, a industrialização pode ter muitos níveis: pode ser na totalidade, pode ser em módulos, pode ser em pequenos detalhes ou espaços como cozinhas, casas-de-banho. Além disso, a industrialização tem uma vantagem, que é permitir a incorporação de mão de obra, por exemplo, do sector feminino, mas, além disso, reduzir tempos de obra. Por outro lado, em cidades muito consolidadas é mais complicado de fazer. Ocupar um espaço entre dois edifícios existentes é difícil recorrendo a um processo industrial. Mas é verdade que é um sector que é uma soma de muitas soluções. Felizmente, aqui na CONSTRUMAT, podemos ver muitas dessas soluções. E há mais: este é um sector onde os diferentes actores colaboram e cooperam muito entre si. Não é a primeira vez que vêm duas empresas diferentes, com produtos diferentes, e se olham, falam, trocam ideias e dessa colaboração surge um novo produto como consequência dessa transmissão de conhecimento. E isso para nós também gera um valor agregado muito alto. Depois, a sustentabilidade. É evidente que agora não só se olha os edifícios pensando no presente, ou seja, quando estiverem construídos, mas também se tem em conta a sua vida útil, o consumo que sustentam, as emissões de CO2, como também ao nível de manutenção. Ou seja, os edifícios têm que ser sustentáveis economicamente, ambientalmente e socialmente.

    Há um ciclo de vida muito longo de um edifício…
    Exactamente. E tem de ser levado em conta. As pessoas já olham quanto vai custar a manutenção e os custos que vai ter esse edifício, ou a casa, ou o apartamento onde vai morar.

    E considerar também o processo de eventual demolição
    A reciclagem e a reabilitação são muito importantes. Actualmente avançou-se muito. Há empresas de demolição que já implementam, no mesmo terreno onde se demoliu, pequenas estações de reciclagem dos materiais, que depois são reutilizados na nova construção. Isso já funciona há algum tempo e cada vez a economia circular na construção está mais difundida.

    Procuramos ser uma feira muito profissional, onde o networking e as oportunidades de negócio sejam muito fortes, tanto na perspectiva dos expositores como dos visitantes, mas que também seja uma montra de soluções tão transversal como era naquela altura

    O que Portugal pode trazer para CONSTRUMAT? Que valor acrescentado podem ter os expositores de Portugal?
    Portugal e Espanha são pontos de união entre a América e a Europa. São pontos de entrada. Além disso, têm muitas semelhanças. Têm o mesmo tipo de cidades consolidadas mas, ao mesmo tempo, têm municípios afastados das grandes cidades que precisam dessa comunicação para que possam crescer de forma sustentável. Acredito que em Portugal também têm um problema de acesso à habitação principalmente em grandes cidades como Lisboa por exemplo, e esse é um problema comum. Isso só se resolve construindo mais e fazendo mais apartamentos, porque se a promoção de novas casas é mais célere que a construção dos mesmos é muito evidente que haverá tensões no mercado. Mas isso não se pode só limitar às grandes cidades. A resposta a estes problemas depende, também, da execução de boas redes de comunicação e de mobilidade.  É importante considerar que o cálculo de distâncias seja feito em minutos e não apenas em quilómetros. Quando conseguirmos isso teremos mais facilidade para crescer.

    Consolidar novas áreas urbanas…
    Exacto, e bem comunicadas. Dou sempre este exemplo: se planificar agora uma viagem a Londres, vou ter vários aeroportos onde aterrar. Seja Luton, Gatwick, Stansted. Para termos uma ideia: Stansted está a uma distância quase equivalente à distância entre Barcelona e Girona. E, no entanto, quando tu vens a Barcelona e aterras em Girona, não pensas que estás a vir para Barcelona. E, no entanto, estás à mesma distância que, por exemplo, o aeroporto de Stansted. De Stansted ao centro de Londres demoras 25 minutos. Quando conseguirmos isso, aliviaremos o peso e a pressão que há nas cidades como Lisboa ou Barcelona, por exemplo, que são tão solidárias e tão maduras.

    Este ano têm um país convidado, Marrocos. O que significa isso? Um piscar de olho ao Mundial, que Espanha organiza em conjunto com Marrocos e Portugal?

    Sim, também. É o primeiro ano que temos um convidado de honra. Neste caso, a escolha acabou por ser Marrocos porque na edição anterior da CONSTRUMAT, quase 30% dos visitantes era desse País, naquela que foi a nacionalidade mais representativa entre os visitantes. Além disso, se considerarmos que Espanha passou a ser o primeiro país na relação comercial com Marrocos, ultrapassando a França, também nos fez pensar nesta opção. A isto junta-se, claro, o facto de Espanha, juntamente com Portugal, organizar conjuntamente o Mundial de 2030 de futebol. Então dissemos que este era o melhor momento. Mas evidentemente, nas próximas edições haverá outros países e porque não Portugal? É um dado curioso que muitas vezes olhamos para o perfil do visitante como um perfil europeu por estarmos tão perto. Mas há um número considerável de visitantes de outros continentes. Há uma conexão muito grande com estas feiras. Eles podem trazer e beber muito desta informação que nós partilhamos neste tipo de eventos. De facto, somos a porta de entrada para a Europa para o continente africano e, portanto, eles também têm de aproveitá-lo. Somos a porta de entrada para a Europa e eles são a nossa porta de entrada para África. Portanto, é normal que com os países do norte de África tenhamos este tipo de relação. Além disso, eles também precisam crescer muito em infraestruturas. As empresas europeias, e quase todas espanholas, são especialistas. Temos grandes empresas nacionais que trabalham por todo o Mundo, muito importantes, e, portanto, é um factor a ter em conta. Mas não só o continente africano, o continente asiático também traz muitos visitantes. E o americano. Tanto o norte-americano como o sul-americano. Realmente estamos num lugar, Barcelona neste caso, que é um nexo de união de muitas culturas, de muitos países e de muitos continentes. E temos de aproveitar isso.

    Pode-se saber um pouco mais sobre a próxima edição? O que têm planeado?
    De momento estamos a desfrutar desta. E estamos, felizmente, sobrecarregados porque o sucesso, por enquanto, está a ser muito alto. Está a corresponder às expectativas que tínhamos. E para o ano queremos crescer. Queremos alcançar um volume não só quantitativo, mas qualitativo, para podermos competir com feiras como a Batimat ou a Bauma. Porque se para o ano conseguirmos alcançar o volume que queremos, passaríamos a edições bienais para competir ombro a ombro com estas duas grandes feiras europeias. A intenção da CONSTRUMAT não é que se torne numa feira de mostra de produto. Ou seja, aqui tentamos que todos os expositores acrescentem valor, que apresentem soluções inovadoras, as novidades que saem no mercado, novas formas de construir. Trabalhamos para que a CONSTRUMAT seja um ponto de encontro para mostrar o presente e vislumbrar o futuro. E eu acho que isto é muito importante, porque se não, não te diferencias das outras feiras. É muito importante que haja essa diferenciação, como disse, qualitativamente em relação às outras feiras

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Escritórios: Primeiro semestre soma cerca de 156 mil m2 de take up
    Imobiliário
    Remax Collection e Global Key comercializam Sal D’Ouro
    Imobiliário
    Construção tradicional é actualmente “um modelo esgotado”
    Construção
    REHAU lança novos ventiloconvetores para condutas
    Empresas
    Cimpor inaugura nova fábrica nos Camarões
    Empresas
    Governo já transferiu mais de 29M€ para a construção do Hospital Central da Madeira
    Construção
    LG lança frigoríficos que “combinam com todos os tons”
    Empresas
    Lisboa: Concurso para Cooperativa de Habitação no Lumiar segue para Assembleia Municipal
    Construção
    Deco Proteste desenvolve simulador de painéis solares fotovoltaicos
    Empresas
    A expansão do Metro Sul do Tejo, a aposta da RAR no Porto e o Dossier de Cozinhas e Espaços de Banho em destaque no CONSTRUIR 511
    Edição Digital
    PUB

    ALLO

    Imobiliário

    Escritórios: Primeiro semestre soma cerca de 156 mil m2 de take up

    De acordo com o Office Flashpoint da JLL, verificou-se um crescimento homólogo de 238% da actividade no mercado de Lisboa e de 13% no do Porto, confirmando a “forte recuperação” dos indicadores de desempenho deste sector face ao ano 2023

    Nos primeiros seis meses deste ano, foram ocupados 128.300 metros quadrados (m2) de escritórios em Lisboa e 28.400 m2 no Porto, revela o Office Flashpoint da JLL. O relatório da consultora apura, ainda, um crescimento homólogo de 238% da actividade no mercado de Lisboa e de 13% no do Porto, confirmando a “forte recuperação” dos indicadores de desempenho deste sector face ao ano 2023. 

    Sofia Tavares, head of Office Leasing da JLL, nota que “a recuperação da procura de escritórios reflecte a melhoria das condições económicas e do alívio das políticas monetárias, associados ao aumento de oferta disponível”.

    “Naturalmente, Lisboa, que foi um mercado mais pressionado em 2023, regista um maior índice de crescimento. De tal forma que, em seis meses já superou o volume ocupado em todo o ano anterior. No Porto, a actividade segue também em recuperação, o que anima muito as expectativas para o total do ano. De assinalar ainda a reactivação das operações de grande dimensão, com cerca de um quarto das transacções quer em Lisboa quer no Porto a envolverem áreas superiores a 1.000 m2”, acrescenta. 

    Em Lisboa, o primeiro semestre de 2024 registou 82 operações de ocupação de escritórios, das quais 22 dizem respeito a áreas superiores a mil m2. Neste período, a área média transaccionada por operação foi de 1.564 m2, evidenciando-se o Parque das Nações como a zona mais dinâmica (39% da ocupação semestral) e as empresas de Serviços Financeiros como os principais motores da procura, ao gerarem 38% do take-up.

     No Porto, contabilizam-se 42 operações de tomada de escritórios até Junho, entre as quais 10 com áreas acima dos mil m2. A área média por operação é de 676 m2 neste mercado, o qual foi dominado pelas empresas de TMT’s & Utilities (45% do take-up) e exibiu maior actividade nas zonas de Matosinhos (36% do take-up) e CBD Boavista (35%). 

    Sem prejuízo da boa performance do mercado de escritórios em termos acumulados, o mês de junho exibiu níveis de atividade moderados, com apenas 4 operações e 1.200 m2 ocupados no Porto e 10 operações no total de 9.300 mem Lisboa.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Remax Collection e Global Key comercializam Sal D’Ouro

    Promovido pela Taga Urbanic, o empreendimento, que inclui os edifícios Reserve e Horizon, tem previsão de conclusão para o segundo trimestre e terceiro trimestre de 2026, respectivamente

    O empreendimento Sal D’Ouro, localizado em Vila Nova de Gaia, está a ser comercializado pela Remax Collection, em parceria com a Global Key. Promovido pela Taga Urbanic, o empreendimento, que inclui os edifícios Reserve e Horizon, tem previsão de conclusão para o segundo trimestre e terceiro trimestre de 2026, respectivamente.

    Ambos os edifícios contam com cinco pisos, compostos por 25 apartamentos e 46 apartamentos cada, de tipologias T1 a T3, com áreas que variam entre os 52 m² e os 240 m², e varandas com vista mar.

    Com conceito sala de estar e cozinha em open concept, todos os apartamentos contam com sistema de casa inteligente, com possibilidade de controlo remoto de iluminação, estores, electrodomésticos e temperatura.

    Com amenities exclusivas, o Sal D’Ouro dispõe de lobby comum com área de estar e porteiro, incluindo sistema de vídeo vigilância, acesso a espaço de fitness, e ainda, dois pisos de estacionamento com carregamento de veículos eléctricos.

    A arquitectura deste empreendimento destaca-se pela fachada envidraçada, garantido a máxima exposição solar e privacidade, e pela vista para o mar e para a foz do Rio Douro.

    Beatriz Rubio, CEO da RE/MAX Collection, destaca o facto de este projecto residencial ter sido pensado para proporcionar um estilo de vida “equilibrado entre a natureza e a cidade”.

    “Acreditamos que esta é uma excelente oportunidade de investimento para quem procura um estilo de vida contemporâneo, longe do ruído da cidade, mas com fácil acesso à cidade do Porto e próximo de todos os serviços essenciais”, reforça.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    KREAR Estarreja

    Construção

    Construção tradicional é actualmente “um modelo esgotado”

    A primeira fábrica com o sistema Krear deverá estar a funcionar ainda em Outubro deste ano e conta com um investimento estimado de 15 milhões de euros, cujo sistema permite a sua adaptação a qualquer tipo de projecto. Com um grande foco na sustentabilidade, decorrem estudos e ensaios para que possam ser integrados materiais reciclados no próprio betão

    O Grupo Casais e a Secil juntaram forças para “transformar” a construção em Portugal. A joint venture KREAR aposta na construção off-site através da padronização de peças em betão, desenvolvidas em 2D e 3D. A fábrica onde tudo vai acontecer, em Estarreja, está já numa fase avançada de construção e deverá começar a produzir “lá para Outubro”.

    O investimento previsto nesta unidade é de 15 milhões de euros, que “vão ser certamente todos os gastos”, afirma Daniel Granjo, director geral da KREAR. Até porque este responsável acredita que existe uma “forte possibilidade” de expansão do processo de fabrico, à medida que a fábrica for entrando na sua velocidade cruzeiro.

    “Queremos impulsionar a mudança”

    Perante um mercado da construção deficitário em termos de mão de obra e preços dos materiais com custos elevados, a opção passa por olhar para formas de construir “mais alternativas” e que até aqui eram apenas usadas em pequena escala e em segmentos muitos específicos. Os exemplos de países europeus, como a Alemanha ou o Reino Unido, onde a construção off-site já é usada em larga escala, deram confiança para que as empresas avançassem nesta aposta.

    Daniel Granjo destaca que estamos perante “uma mudança de paradigma”, não só porque considera que a construção tradicional é “actualmente um modelo esgotado”, até porque o sector se encontra limitado pela falta de mão de obra, mas também porque “percebemos que temos que mudar o processo, temos essa responsabilidade”.

    Um dos principais problemas da construção tradicional é a falta de mão de obra e a formação. Daniel Granjo considera que esta “não é uma profissão atractiva para um jovem actualmente”.  Esta é, também, uma lacuna que consideram que a construção off-site vem preencher, já que sendo todo o processo é muito mais “inovador, digital e mais limpo”, o que se torna muito mais apelativo para os jovens.

    Haverá, também, uma forte componente de formação, tanto de início, como continua que, de certa forma, torna a profissão mais motivadora. A pensar nisso, a própria fábrica tem um auditório preparado para este tipo de situações. Também por isso, acreditam esta unidade de produção será, de facto, “impulsionadora dessa mudança” e que irá “fazer escola para outras fábricas que se seguirão”.

    Com o foco na sustentabilidade

    Não obstante, o crescimento de diferentes materiais para a construção, que procuram responder a uma necessidade de preservação dos recursos naturais e menos poluentes, o Grupo Casais partiu para o projecto com a intenção de recorrer ao ‘tradicional’ betão. Não obstante, Daniel Granjo, destaca o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido para incorporar materiais reciclados na composição do betão, de forma a contribuírem para dar uma solução a estes resíduos. Ainda numa fase de testes, “para que não interfiram na qualidade e resistência do betão”, a ideia passar por contribuir para dar um destino aos muitos resíduos que se encontram em aterros.

    Por um lado, a componente técnica e tecnológica e, por outro, o material a ser utilizado. Além de mais “resistente”, indica Daniel Granjo, “as alternativas hoje existentes permitem reduzir muito as emissões de CO2”, normalmente atribuídas à indústria do cimento.

    “Esta é a matéria que nos permite construir com mais qualidade e mais durabilidade, isso não é discutível. Ao mesmo tempo, este é um material que nos permite recriar o tipo de fachada que o arquitecto quiser, seja fachada ventilada ou de pedra ornamental, com a vantagem de ir já para a obra com as caixilharias e os vidros”, reforça.

    Além disso, “com esta forma de construção não há desperdício” e, com isso, “diminuir prazos”, “custos”, mas, também, o “impacto ambiental” da actividade da construção, indica.

    Off-site e modular de mãos dadas

    À semelhança de uma fábrica automóvel, a nova unidade industrial da Krear irá ter um sistema robotizado em carrossel para a produção de peças pré-definidas em betão que depois de assembladas e combinadas vão constituir estruturas e fachadas do edifício, seja ele novo ou fruto de uma reabilitação. Para uma maior eficiência do processo, a unidade vai ter incorporado uma central de betão dedicada.

    A nova unidade terá uma capacidade de produção de 700 metros quadrados (m2) por dia. “Ou seja, tendo como referência um apartamento com 70 m2, a nossa fábrica pode produzir, por ano, cerca de 1500 apartamentos, 15 hotéis, com 24 quartos com tipologia B&B ou cinco residências de estudantes de seis pisos, com 90 quartos”, explica Daniel Granjo.

    Ainda sem querer revelar dados mais concretos, sabemos que assim que ficar concluída, a nova unidade Krear tem já vários projectos para entrar em produção. O primeiro será um projecto de turismo de gama alta, que será “desafiante” e com uma arquitectura “bastante diferenciadora”. Estão, ainda, em estudo, projectos de habitação a custos controlados e de residências de estudantes.

    “A curiosidade tem sido muita e temos tido muitos contactos de projectistas e empreiteiros para saberem como podem, inclusive, alterar o projecto inicial de uma construção tradicional para esta em fábrica”.

    Daniel Granjo refere, ainda, que, “embora a Casais vá, obviamente, integrar esta forma de construção em muito dos seus projectos, não somos aqui empreiteiros nem construtores. Não é uma solução exclusiva para a Casais. Vamos, sim, oferecer soluções para as empresas do sector”.

    A flexibilidade é, também, outras das importantes ferramentas da Krear. Não só pode produzir uma solução fabricada em betão, como uma solução híbrida. Existe, portanto, a possibilidade de complementar estas soluções com outras que a Casais já produz ao nível da construção modular, seja através do sistema Cree, como da Blufab.

    A pensar nesta “complementaridade”, a fábrica de Estarreja está já preparada com duas naves, em que uma delas terá a capacidade para produzir cerca de 100 m2 por dia em soluções híbridas Cree. Além disso, cerca de metade dessa segunda nave vai estar preparada trabalhar em soluções customizadas e este é um detalhe muito importante e que se diferencia de todas as fábricas que existem na Europa. “Sabemos que esta unidade só teria sucesso se conseguíssemos aqui um compromisso entre a capacidade de produção, competitividade e customização. É neste espaço que vamos fazer as fachadas, a tal ‘casca’ do edifício que, no fundo, é o que dá identidade ao edifício”, explica.

    Sobre o autorCidália Lopes

    Cidália Lopes

    Jornalista
    Mais artigos

    Industrial Style Loft Bedroom wiht Living Room. 3d render

    Empresas

    REHAU lança novos ventiloconvetores para condutas

    A especialista em soluções completas para sistemas de climatização por superfícies radiantes, sistemas de água sanitária, sistemas de drenagem e edifícios eco-eficientes, apresenta os novos ventiloconvetores para condutas: RAUCLIMATE Silent Breeze Duct e Multiduct

    tagsRehau

    A REHAU, especialista em soluções completas para sistemas de climatização por superfícies radiantes, sistemas de água sanitária, sistemas de drenagem e edifícios eco-eficientes, anunciou o lançamento dos seus ventiloconvetores para condutas: RAUCLIMATE Silent Breeze Duct e Multiduct. Estes novos produtos juntam-se à aclamada gama RAUCLIMATE Silent Breeze, oferecendo, segundo a empresa, uma solução de climatização “avançada, eficiente e discreta, perfeita para qualquer casa ou edifício residencial”.

    Tal como os ventiloconvetores murais High Wall e Low Wall, os novos modelos para condutas Silent Breeze da RAUCLIMATE combinam um elevado desempenho com um funcionamento silencioso e um design sofisticado

    Característica diferenciada

    Os novos modelos para condutas apresentam uma instalação encastrada no tecto, mantendo as unidades fora da vista e maximizando o espaço utilizável nas divisões. Esta característica diferencia-os dos modelos montados à vista na parede, conhecidos como High Wall e Low Wall, oferecendo uma estética limpa e moderna sem comprometer a eficiência e o conforto.
    Os novos ventiloconvetores podem ser utilizados de forma autónoma ou em combinação com os sistemas radiantes REHAU, oferecendo uma solução versátil tanto para aquecimento como para arrefecimento. Além disso, na versão Multiduct, através do NEA SMART 2.0 é possível definir uma temperatura diferente em cada divisão, optimizando assim o consumo de energia e proporcionando uma gestão completa e eficiente do clima da casa.

    Funcionalidade

    Tal como os ventiloconvetores murais High Wall e Low Wall, os novos modelos para condutas Silent Breeze da RAUCLIMATE combinam um elevado desempenho com um funcionamento silencioso e um design sofisticado. Estão equipados com ventiladores tangenciais com pás assimétricas e um permutador de calor hidrónico de grande área, o que garante um fluxo de ar eficiente e um condicionamento de ar silencioso. Outra grande vantagem dos novos ventiloconvetores é o seu sistema automático Comfort Cooling PLUS, concebido para garantir um ambiente confortável em qualquer altura. A humidade influencia significativamente a percepção da temperatura. Quando a humidade aumenta, a função Comfort Cooling PLUS ajusta automaticamente o clima interior no modo de arrefecimento, alterando a temperatura do sistema sem necessidade de intervenção manual. Em suma, com os novos lançamentos RAUCLIMATE Silent Breeze Duct e Multiduct, a REHAU reafirma a sua aposta na inovação e excelência das soluções de climatização, oferecendo produtos que combinam eficiência, tecnologia avançada e um design que se adapta às necessidades das casas modernas.

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos
    Empresas

    Cimpor inaugura nova fábrica nos Camarões

    A nova fábrica destaca-se pela introdução de tecnologias de produção ecológica de nova geração de ‘argila calcinada’, colocando os Camarões numa posição de destaque

    A Cimpor inaugurou, oficialmente, esta sexta-feira, dia 19 de Julho, a sua nova fábrica nos Camarões. Um investimento que expande “significativamente” a presença empresa em África e que desempenha um “importante papel” no desenvolvimento das infraestruturas dos Camarões. Refira-se que a unidade já se encontrava a laborar desde 29 de Outubro de 2023.

    Em consonância com a estratégia de descarbonização da Cimpor, a nova fábrica destaca-se pela introdução de tecnologias de produção ecológica de nova geração de ‘argila calcinada’, colocando os Camarões numa posição de destaque não só em África, mas em todo o Mundo.

    Foi em 2020 que a Cimpor Global iniciou os seus investimentos em África, tendo começado em Abidjan, na Costa do Marfim, onde instalou a primeira fábrica integrada de cimento de argila calcinada do Mundo, baseada em processos de produção inovadores e sustentáveis adequados às características e recursos de África.

    Esta decisão permitiu reduzir as emissões de CO2 por tonelada de cimento até 40% através do recurso a cimentos de argila calcinada produzidos com a sua tecnologia ‘deOHclay’.

    Na sequência deste investimento inicial, a Cimpor começou a trabalhar na futura fábrica de cimento nos Camarões, em Kribi, equipada com a primeira e única linha de produção de argila calcinada com calcinador flash do Mundo actualmente em funcionamento.

    A empresa, através do seu braço nos Camarões – Cimpor Cameroun – tem actualmente uma capacidade de produção anual de 1,2 milhões de toneladas de cimento e 400 mil toneladas de argila calcinada.

    No seguimento da sua estratégia em África, a Cimpor prossegue a construção da sua terceira fábrica no Gana, equipada com tecnologias de produção de cimento mais ecológicas sustentáveis.

    Entretanto, e até 2030, a holding tem previsto um conjunto de investimento com vista a “aumentar a sustentabilidade” da sua actividade e que inclui o desenvolvimento de cimentos de baixo teor carbónico, a diminuição da pegada de CO2 das centrais, a produção de electricidade através de painéis fotovoltaicos e a criação de um sistema inovador de produção que utiliza o hidrogénio como motor principal.

    Em Março deste ano, TCC Group Holdings (TCC), um dos maiores produtores de cimento do mundo, adquiriu a totalidade das acções da Cimpor e assumiu o seu lugar como o terceiro maior produtor de cimento a nível global.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Governo já transferiu mais de 29M€ para a construção do Hospital Central da Madeira

    No documento, o Tribunal de Contas deixa duas recomendações à Secretaria Regional de Equipamentos e Infraestruturas que, conjuntamente com a Secretaria Regional das Finanças, identifique, de forma desagregada, os montantes afetos, despendidos e programados em cada uma das vertentes do projeto do Hospital Central e Universitário da Madeira

    O Governo da República já transferiu mais de 29 milhões de euros para a construção do Hospital Central e Universitário da Madeira. No relatório publicado esta sexta-feira pelo Tribunal de Contas é ainda possível ler que até Agosto de 2023, não foram identificadas irregularidades financeiras nas obras.

    No documento, o Tribunal de Contas deixa duas recomendações à Secretaria Regional de Equipamentos e Infraestruturas que, conjuntamente com a Secretaria Regional das Finanças, identifique, de forma desagregada, os montantes afetos, despendidos e programados em cada uma das vertentes do projeto do Hospital Central e Universitário da Madeira.

    A segunda recomendação é a de que promova o cumprimento dos prazos de pagamento definidos contratual e legalmente, evitando pagamentos em atraso. Conclusões e recomendações presentes no relatório da auditoria À primeira fase de construção do Hospital Central e universitário da Madeira, publicado hoje pelo Tribunal de contas.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    LG lança frigoríficos que “combinam com todos os tons”

    Os novos frigoríficos podem activar a tecnologia MoodUP e assim escolher entre 170 mil combinações de cores nos painéis LED das portas dos frigoríficos

    Com ecrãs LED, tecnologia InstaView e um controlo conveniente via app, os novos frigoríficos LG InstaView com MoodUP prometem “revolucionar” o design de qualquer cozinha portuguesa. A gama de frigoríficos, que mudam de cor, antecipa, uma experiência culinária “inteligente e personalizável” para quem deseja expressar o seu humor e gosto pessoal na cozinha.

    Seja o Americano 4 Portas (modelo GMV960NNME) ou o Combinado (modelo GBG719MDNN), estes frigoríficos interactivos da LG permite, através da app ThinQTM, activar a tecnologia MoodUP e assim escolher entre 170 mil combinações de cores nos painéis LED das portas dos frigoríficos para criar um look diferente na cozinha.

    Paralelamente, os novos modelos também incorporam o distintivo painel InstaView da LG, que tem a capacidade de aumentar a conveniência e eficiência energética, já que permite que os utilizadores vejam o interior do frigorífico sem terem de abrir a porta.

    Além disso, estes electrodomésticos estão equipados com uma coluna bluetooth com duas saídas que permite que os utilizadores possam reproduzir músicas e podcasts a partir das suas apps de streaming.

    Além disso, também, o Party Mode permite que a iluminação LED dos frigoríficos pulse em sintonia com a batida da música. Por sua vez, o recurso Color Alarm optimiza a interacção, comunicando com os utilizadores ao fazer com que os painéis LED das portas pisquem ou brilhem mais intensamente em situações específicas.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Lisboa: Concurso para Cooperativa de Habitação no Lumiar segue para Assembleia Municipal

    As 18 habitações na Rua António do Couto, com projecto final já aprovado e concluído, visam promover o “aumento da oferta de habitação na cidade em regime cooperativo”, em particular, para pessoas com “rendimentos intermédios”

    Lisboa relança programas de construção de habitação cooperativa

    A Câmara Municipal aprovou esta sexta-feira, 19 de Julho, o concurso para 18 habitações acessíveis e um espaço social, num terreno municipal, no Lumiar. A proposta, desenvolvida no âmbito do programa “Cooperativas 1.ª Habitação Lisboa”, segue, agora, para discussão na Assembleia Municipal.

    Desta forma, as 18 habitações na Rua António do Couto, com projecto final já aprovado e concluído, visam promover o “aumento da oferta de habitação na cidade em regime cooperativo”, em particular,  para pessoas com “rendimentos intermédios, sendo uma solução importante para jovens”.

    Enquanto “proprietária de um vasto património imobiliário”, salienta a proposta, a autarquia quer desenvolver a capacidade e potencial habitacional associada, de forma a “garantir preços acessíveis à habitação”.

    O modelo ‘Cooperativas 1ª Habitação’ foi aprovado pela CML em Fevereiro deste ano, deverá ser multiplicado em várias zonas da cidade, estando, actualmente, em fase de projecto 12 casas em Benfica, 15 em Arroios, 21 em São Vicente e 23 em Santa Clara.

    A CML, afirmou então Carlos Moedas, “assume os encargos dos projectos de arquitectura, licenciamento e execução retirando este encargo financeiro às cooperativas e procurando garantir assim uma diminuição considerável do prazo de execução da obra”. As cooperativas seleccionadas, “podem de imediato iniciar a construção”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Deco Proteste desenvolve simulador de painéis solares fotovoltaicos

    Para aconselhar da melhor forma possível, são tidos em conta os dados de consumo eléctrico do lar, assim como detalhes como o tipo de habitação, a região onde se reside, o perfil de consumo de electricidade , a permanência na habitação, a posse de veículo elétrico e a regularidade do respectivo carregamento

    Portugal é um País com muito potencial na produção de electricidade a partir de energia solar. No entanto, este potencial ainda está muito aquém das possibilidades que um País de sol oferece. Até 2030, a produção gerada através dos telhados do cidadão comum terá de atingir 2,3 GWh, uma meta ambiciosa que precisa de um grande esforço colectivo.

    A partir desta quinta-feira, dia 18 de Julho, a Deco Proteste contribui para que esta escolha seja o mais informada possível para os consumidores através da disponibilização de uma ferramenta que ajuda os portugueses a escolherem as melhores soluções de painéis solares fotovoltaicos.

    O novo simulador de sistemas fotovoltaicos aconselha os consumidores sobre o número de painéis a adquirir, comparando preços, com o objectivo de “proporcionar poupanças efectivas na factura da electricidade”.

    Sendo já muitos os portugueses que procuram sistemas solares fotovoltaicos para autoconsumo, os preços dos painéis têm vindo a descer significativamente ao longo dos anos. Neste sentido, a escolha de um sistema adequado, cada vez mais acessível, requer um dimensionamento preciso e uma selecção de equipamentos eficientes.

    Para aconselhar da melhor forma possível, são tidos em conta os dados de consumo eléctrico do lar, assim como detalhes como o tipo de habitação, a região onde se reside, o perfil de consumo de electricidade , a permanência na habitação, a posse de veículo elétrico e a regularidade do respectivo carregamento.

    Cruzadas todas estas informações, é indicada a melhor solução fotovoltaica e sugestões tendo em conta o perfil de cada um. No resultado da simulação, que aconselha um número de painéis específico e que se pretende ser o mais acurada possível, são também tidas em conta questões como a forma como devem ser colocados, o valor de produção de electricidade e o custo indicativo dos painéis, acessórios e mão-de-obra. Se o consumidor quiser ser ainda mais específico, pode personalizar o seu próprio consumo e o preço por kWh.

    No final, é apresentada a melhor solução, o investimento indicativo necessário e o período de retorno do mesmo, obtido através da divisão do custo pela poupança anual. A poupança é calculada a partir da quantidade de energia consumida que se estima que possa ser fornecida pelo sistema, evitando o custo de eletricidade que teria de vir da rede. Este valor é multiplicado por um preço médio por kWh, resultando na poupança apresentada.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Edição Digital

    A expansão do Metro Sul do Tejo, a aposta da RAR no Porto e o Dossier de Cozinhas e Espaços de Banho em destaque no CONSTRUIR 511

    Os planos de expansão do Metro Sul do Tejo até à Caparica tem novos desenvolvimentos. Fique por dentro dos trabalhos, numa edição onde lhe mostramos a nova proposta da RAR para o Porto, o projecto com que Carvalho Araújo ganhou concurso no País Basco e um dossier completo dedicado a Cozinhas e Espaços de Banho

    Metro chegará à Caparica e Trafaria na próxima década
    A Câmara de Almada, o Metropolitano de Lisboa e a TML assinaram um protocolo para a elaboração do projecto de expansão do Metro Sul do Tejo até à Costa de Caparica e Trafaria, passando por Santo António e São João. Obras deverão arrancar dentro de cinco a sete anos, segundo o ministro das Infraestruturas, Pinto Luz

    “Seenergy” cria mobiliário que dá energia
    Ainda em fase de protótipo, a “Seenergy” utiliza células solares sensibilizadas por corantes que imitam o processo de fotossíntese nas planas

    Carvalho Araújo assina sedes do EDA & Wine Campus
    O Basque Culinary Center publicou o concurso de projectos de arquitectura para as duas sedes. O júri destacou a singularidade da proposta e a integração com a envolvente

    RAR aposta no Montebello Villas
    Investimento de 24 milhões de euros, leva a “visão e o engenho” do arquitecto Nuno Valentim à Foz Velha do Porto. O Montebelo Villas faz a “reinterpretação” da casa já existente com o conjunto de novas moradias

    Dossier Cozinhas
    e Espaços de Banho

    A procura no mercado por soluções cada vez mais sustentáveis é hoje uma realidade. São inúmeras as soluções disponíveis e que hoje se apresentam com conectividade e com IA integrada

    A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

    Para mais informações contacte: Graça Dias | gdias@workmedia.pt | 215 825 436

    Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 511

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.