“Repositório de Materiais” apresentado a 5 de Março na OA

Por a 22 de Fevereiro de 2018

Chama-se “Repositório de Materiais”, é um projecto pioneiro no domínio da chamada Economia Circular e nasce de uma reflexão sobre a envolvente actual, tendo ao mesmo tempo uma componente patrimonial, ambiental, cultural e social. No próximo dia 5 de Março, Cláudia Cardoso, arquitecta e coordenadora do projecto, vai apresentá-lo no Auditório Nuno Teotónio Pereira, na Sede Nacional da Ordem dos Arquitectos.

“Observa-se na sociedade actual uma cultura de desperdício, sendo o sector da construção um grande responsável na produção de resíduos. O ‘Repositório de Materiais’ surge como uma resposta a esta situação, tendo lançado em 2017 a Plataforma para a Reutilização de Materiais de Construção, uma ferramenta inovadora com o objectivo de reunir e centralizar, através de um serviço de catalogação on-line, as relações entre várias entidades que possuem e que procuram materiais/componentes sobrantes da construção ou provenientes de obras de demolição/reabilitação, com potencial de reutilização”, explica Cláudia Cardoso.

Promover boas práticas de reabilitação urbana sustentável, envolvendo técnicos, empresas de construção/demolição, promotores, instituições de gestão local, entidades educativas, a comunidade em geral e outras entidades na mesma missão é um dos fundamentos do projecto, assim como salvaguardar e disponibilizar materiais de construção antigos, possibilitando reabilitar edifícios com materiais contemporâneos da construção, alguns com particular valor patrimonial; divulgar e valorizar os saberes construtivos tradicionais e a identidade local; sensibilizar a sociedade para uma economia de recursos e protecção ambiental, reduzindo o desperdício e a formação de aterros e proteger e valorizar o património construído de forma integrada: estrutura e arquitectura, interior e exterior.

Cláudia Cardoso conclui: “o carácter inovador do Repositório de Materiais e a sua relevância no contexto da Economia Circular tem vindo a ser reconhecido por diversas entidades, tendo inclusivamente sido referenciado como exemplo no Plano de Acção para a Economia Circular em Portugal [2017-2020], do Ministério do Ambiente”.

 

PUB

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *