Edição digital
Assine já
    PUB

    (C) Jacob Sjöman. jacob@sjomanart.com

    Imobiliário

    Fusões e Aquisições movimentam 4,3MM€ em 2024

    Número de transacções diminui em 24% em comparação a 2023, embora o capital mobilizado tenha registado um aumento de 0,5%. O sector de Real Estate foi o mais activo no período, com 36 transacções, de acordo com o mais recente relatório do TTR Data

    CONSTRUIR

    (C) Jacob Sjöman. jacob@sjomanart.com

    Imobiliário

    Fusões e Aquisições movimentam 4,3MM€ em 2024

    Número de transacções diminui em 24% em comparação a 2023, embora o capital mobilizado tenha registado um aumento de 0,5%. O sector de Real Estate foi o mais activo no período, com 36 transacções, de acordo com o mais recente relatório do TTR Data

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Nova edição do Guia Placo reflecte “compromisso” com a inovação e a sustentabilidade
    Empresas
    OLI adquire francesa Regiplast por 6,5 M€
    Empresas
    Opiniões Maxcolchon: Como selecionar colchões para a sua nova vivenda
    RE Capital inicia comercialização do Bellevue em Cascais
    Imobiliário
    Avenue investe 150 M€ em novo projecto no Porto
    Imobiliário
    O primeiro troço da Alta-velocidade, materiais cimentícios para impressão em 3D, o novo Vila Galé da Figueira e a nova edição da TRAÇO no CONSTRUIR 510
    Construção
    Obras de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo até ao primeiro trimestre de 2025
    Construção
    Diminuíram as transacções de alojamentos no 1.º Trimestre de 2024
    Construção
    4ª edição “ReBuild Ukraine” agendada para Novembro
    Construção
    Angolana Power2Build quer entrar na Europa via Portugal
    Construção

    Entre Janeiro e Maio de 2024, o mercado transaccional português registou a concretização de 199 operações, que totalizaram 4,3MM euros . Destas, 37% revelaram seus valores, conforme aponta o mais recente relatório do TTR Data. De acordo com a análise, estes números representam uma queda de 24% no número de transacções em comparação com o mesmo período de 2023, no entanto, salienta o relatório, houve um aumento de 0,5% no capital mobilizado.
    No mês de Maio, foram registadas 21 fusões e aquisições, entre anunciadas e encerradas, que totalizaram um valor total de 828,92 milhões de euros.
    Em termos sectoriais, o sector de Real Estate foi o mais activo nos primeiros cinco meses de 2024, com 36 transacções, seguido pelo sector de Internet, Software & IT Services com 19 operações, o qual registou uma queda de 39% quando comparado com igual período de 2023.

    Âmbito Cross-Border

    No âmbito Cross-Border, quanto à número de transacções, a Espanha e França, foram os países que mais investiram em Portugal no período, contabilizando 27 e 15 transacções, respectivamente. Em sentido inverso, as empresas portuguesas escolheram a Espanha e o Reino Unido como principal destino de investimento, com 13 e sete transacções, respectivamente.
    As aquisições estrangeiras no sector de Tecnologia e Internet aumentaram em 56% em comparação ao mesmo período de 2023.

    Private Equity, Venture Capital e Asset Acquisitions

    Até Maio de 2024, foram contabilizadas 18 transacções de Private Equity e um total de 527 milhões de euros.
    Em Venture Capital, foram realizadas 44 rodadas de investimentos e um total de 215 milhões de euros, representando uma queda de 30% no número de transacções.
    No segmento de Asset Acquisitions, foram registadas 53 transacções com um valor de 1,7 mil milhões de euros, representando uma queda de 8% no volume de operações.

    The Oitavos é destaque no período em análise
    A transacção destacada pelo TTR Data em Maio de 2024, foi a venda pela Quinta da Marinha do The Oitavos para o BTG Pactual, Square View e Green Jacket. O valor da transacção é de 160 milhões de euros. A operação contou com a assessoria jurídica em lei portuguesa dos escritórios Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados e VdA, Vieira de Almeida. Do lado financeiro, foi assessorada pelo BTG Pactual e em Due Diligence pela EY Portugal.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Nova edição do Guia Placo reflecte “compromisso” com a inovação e a sustentabilidade
    Empresas
    OLI adquire francesa Regiplast por 6,5 M€
    Empresas
    Opiniões Maxcolchon: Como selecionar colchões para a sua nova vivenda
    RE Capital inicia comercialização do Bellevue em Cascais
    Imobiliário
    Avenue investe 150 M€ em novo projecto no Porto
    Imobiliário
    O primeiro troço da Alta-velocidade, materiais cimentícios para impressão em 3D, o novo Vila Galé da Figueira e a nova edição da TRAÇO no CONSTRUIR 510
    Construção
    Obras de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo até ao primeiro trimestre de 2025
    Construção
    Diminuíram as transacções de alojamentos no 1.º Trimestre de 2024
    Construção
    4ª edição “ReBuild Ukraine” agendada para Novembro
    Construção
    Angolana Power2Build quer entrar na Europa via Portugal
    Construção
    PUB
    Empresas

    Nova edição do Guia Placo reflecte “compromisso” com a inovação e a sustentabilidade

    Além das diferentes soluções em gesso do universo da marca, o documento inclui, ainda, a nova gama de produtos que compõe o sistema de divisórias futuRE, uma solução com uma pegada de carbono mais reduzida

    Com o objectivo de “inspirar e auxiliar” a tomada de decisão dos profissionais do sector para os diferentes projectos, a Saint-Gobain Portugal acaba de lançar, no mercado nacional, uma nova edição do Guia Placo. Este documento conta com diversas soluções que “reflectem as tendências de mercado” e o “compromisso” da Saint-Gobain com a inovação e a sustentabilidade.

    Desta forma, são apresentadas no Guia Placo diversas soluções inovadoras em gesso do universo da marca, como placas, tratamento de juntas e produtos prontos a aplicar, perfilaria e acessórios metálicos, ou tectos e gessos.

    Este documento inclui, ainda, a nova gama de produtos Placo, que compõe o sistema de divisórias futuRE, uma solução com uma pegada de carbono mais reduzida. A solução combina duas placas de gesso laminado Placo Planet 13 futuRE compostas por 28% de conteúdo reciclado, os painéis de lã mineral – da marca Isover – Arena Apta futuRE, que incorporam na sua composição 78% de vidro reciclado, e os perfis Placo Planet futuRE que apresentam uma pegada de carbono de apenas 1,09 kg de CO2, apresentando uma redução de 69% face aos produtos standard semelhantes.

    Paralelamente aos serviços apresentados no guia, a Saint-Gobain fornece suporte transversal em qualquer fase de projecto com informação técnica, cálculo de soluções, ensaios ao fogo e certificações de produto e construção digital.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    OLI adquire francesa Regiplast por 6,5 M€

    Com esta aquisição estratégica, a OLI pretende “aumentar a sua influência” no mercado francês, que hoje representa 8% das vendas globais da empresa

    tagsOLI

    A especialista ibérica na produção de autoclismos, OLI, adquiriu a sociedade francesa Regiplast, em França, numa operação financeira de 6,5 milhões de euros.

    Com esta aquisição estratégica, a OLI pretende “aumentar a sua influência” no mercado francês, que hoje representa 8% das vendas globais da empresa, através da integração das suas soluções de banho em projectos de construção nos segmentos residencial, hotelaria e espaços públicos.

    “Este investimento em França representa um grande marco para a empresa, no ano em que celebra o seu 70º aniversário, sendo essencial para o seu plano de consolidação internacional, nomeadamente no eixo Portugal – Europa do Sul, onde detém filiais em Espanha, Itália e, agora, em França. Com esta operação, a OLI capitaliza a reputação da Regiplast no mercado francês e ambiciona manter esse legado, que consideramos estrutural para os planos de crescimento da marca junto de distribuidores, arquitetos, construtores, instaladores e consumidor final”, afirmou António Ricardo Oliveira, administrador da OLI.

    A Regiplast, sediada em Périgueux, é reconhecida por comercializar e fornecer várias marcas de referência a instaladores, entre as quais a OLI que representa desde 1993.

    A integração, a partir de Julho de 2024, da Regiplast como empresa filial da OLI em França tem como objectivo “ampliar a oferta de produtos e serviços”, através de uma gama mais ampla e diversificada de soluções sanitárias por forma a responder às diferentes necessidades dos clientes.

    Além disso, com esta operação, pretende-se melhorar o serviço de atendimento ao cliente, ministrar formação técnica especializada, para capacitar e assessorar os profissionais em sistemas de instalação sanitárias e oferecer soluções integradas para obras.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Opiniões Maxcolchon: Como selecionar colchões para a sua nova vivenda

    Quando se trata de projetar e construir uma nova vivenda, cada detalhe é crucial para garantir o conforto e a satisfação dos futuros moradores

    Entre esses detalhes, a escolha dos colchões desempenha um papel vital na qualidade de vida dos residentes. Selecionar colchões adequados não só aprimora o bem-estar, mas também reflete a atenção aos detalhes e a qualidade do projeto. Neste artigo, vamos explorar como as opiniões sobre Maxcolchon podem guiar arquitetos e construtores na seleção dos melhores colchões para uma nova vivenda.

    1. Compreender as necessidades dos moradores

    Antes de escolher os colchões, é essencial compreender as necessidades específicas dos futuros moradores. Arquitetos e construtores devem considerar fatores como idade, problemas de saúde, preferências de firmeza e hábitos de sono. A Maxcolchon oferece uma ampla gama de opções, desde colchões de molas ensacadas a espumas de memória, permitindo uma escolha personalizada que atende a diferentes exigências.

    2. Conforto e qualidade dos materiais

    As avaliações dos usuários destacam frequentemente o conforto e a qualidade dos materiais utilizados nos colchões da Maxcolchon. Ao selecionar colchões para uma nova vivenda, é fundamental optar por produtos que ofereçam suporte adequado e conforto duradouro. Colchões de alta qualidade não só melhoram a experiência de sono, mas também demonstram o compromisso do projeto com a excelência e a satisfação do cliente.

    3. Acessórios complementares

    Além dos colchões, considerar acessórios complementares pode elevar ainda mais o conforto e a funcionalidade do espaço. Um exemplo disso é a adição de toppers de colchão. As opiniões dos usuários destacam a diferença que um bom topper pode fazer na qualidade do sono. Recomendar aos clientes a possibilidade de obter o melhor topper colchão pode ser uma maneira eficaz de aumentar a satisfação e o conforto geral.

    4. Inovações tecnológicas

    A incorporação de tecnologias inovadoras nos colchões é uma tendência crescente. A Maxcolchon integra avanços como regulação térmica, controle de humidade e tratamentos hipoalergênicos, que são frequentemente mencionados nas opiniões dos usuários. Arquitetos e construtores devem considerar essas características ao selecionar colchões, pois aumentam o conforto e a saúde dos moradores, adicionando valor ao projeto.

    5. Personalização e variedade

    Cada vivenda é única, assim como os seus moradores. A possibilidade de personalização oferecida pela Maxcolchon permite que arquitetos e construtores selecionem colchões que se ajustem perfeitamente às necessidades e preferências individuais. Desde tamanhos variados até diferentes níveis de firmeza, a variedade disponível facilita a criação de um ambiente de sono ideal para cada residente.

    6. Durabilidade e manutenção

    A durabilidade é um fator chave a ser considerado na escolha de colchões. Produtos que mantêm a sua integridade estrutural e conforto ao longo do tempo representam um investimento inteligente. A Maxcolchon é reconhecida por fabricar colchões que resistem ao desgaste, o que é especialmente importante para novas vivendas que procuram oferecer um padrão de vida superior a longo prazo. Além disso, a facilidade de manutenção, como capas removíveis e laváveis, pode ser um diferencial significativo.

    Selecionar colchões para uma nova vivenda é uma tarefa que requer atenção aos detalhes e uma compreensão profunda das necessidades dos futuros moradores. As opiniões sobre a Maxcolchon fornecem uma visão valiosa sobre os benefícios de escolher colchões de alta qualidade, confortáveis e duráveis.

    Arquitetos e construtores que consideram essas opiniões e incorporam as melhores práticas na seleção de colchões estão bem posicionados para entregar projetos que não só atendem, mas excedem as expectativas dos clientes. A escolha de produtos como os da Maxcolchon reflete um compromisso com a excelência e o bem-estar, elementos essenciais para o sucesso de qualquer nova vivenda.

     

    Sobre o autorBrand SHARE

    Brand SHARE

    Mais artigos

    Bellevue

    Imobiliário

    RE Capital inicia comercialização do Bellevue em Cascais

    Promovido pela RE Capital e pelo Grupo Santo, o Bellevue tem conclusão prevista para o primeiro semestre de 2026

    CONSTRUIR

    A empresa RE Capital anuncia o início da comercialização do projecto residencial de luxo Bellevue, em Cascais. O projecto, promovido pela RE Capital e pelo Grupo Santo, entrou já na fase de construção, tendo conclusão prevista para o primeiro semestre de 2026. Com um investimento estimado de 27 milhões de euros, o Bellevue contará com 14 apartamentos.

    Com um traço cosmopolita, o Bellevue já é o segundo projecto da RE Capital com assinatura de arquitectura do atelier ARX Portugal – Arquitectos, que encontrou aqui a oportunidade de criar um condomínio exclusivo de raiz numa localização única. “Inspirado pela vista para o oceano e iluminado por uma exposição solar única, o empreendimento beneficia ainda da localização numa zona residencial seleccionada, composta maioritariamente por condomínios com parque privativo e algumas moradias isoladas com jardins privativos”, indicam os arquitectos.

    Também ao nível de design de interiores, o Bellevue trará a este condomínio de luxo uma “visão sofisticada e exclusive” do espaço como refere Nicola Vaughan Scott, head of Interior Design da RE Capital. “De destacar os acabamentos de máxima qualidade e elementos de design premium como por exemplo as cozinhas profundamente pensadas ao detalhe com assinatura da Poliform, o projecto de iluminação desenhado exclusivamente para o empreendimento, permitindo a melhor dinâmica de iluminação em cada espaço dos apartamentos ou a exaustiva e cuidadosa selecção de materiais e acabamentos, resultando numa harmoniosa relação entre elementos, materialidades e cor”, refere.

    O projecto oferece três conceitos distintos de apartamentos: Garden, Terrace e Penthouse, distribuídos por dois blocos de sete apartamentos cada um, com tipologias que variam do T2 ao T4, com áreas privativas interiores entre 147 metros quadrados (m2)  a 230m2 e todos com “amplas” varandas. Além disso, cada edifício reserva, ainda, os dois últimos pisos para uma magnifica Penthouse, em tipologias T3 duplex e T4 duplex (com áreas totais entre 486 m2 e 604 m2), onde se destaca a vista panorâmica de mar, rooftop e piscina privativos, bem como diversas zonas exteriores com amplos terraços.

    Todos os quartos do Bellevue são em suite para um maior conforto e, no espaço exterior, os residentes dispõem de uma piscina panorâmica e de um jardim de condomínio com a melhor exposição solar. Está também equipado com um ginásio, sauna e salas de massagens exclusivas do condomínio, bem como uma sala multifuncional que beneficia de apoio para food & beverage. O pack de serviços de condomínio propõe ainda Segurança 24/7 e serviço de Concierge a la carte.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Avenue investe 150 M€ em novo projecto no Porto

    Com traço da OODA, este condomínio privado distingue-se pelas suas soluções inovadoras, que unem tecnologia e sustentabilidade. A comercialização está a cargo, em-exclusividade pelas consultoras JLL, Luximos Christie’s e Savills/Predibisa

    CONSTRUIR

    Com um investimento de 150 milhões, o Fernão Magalhães 127 conta com aproximadamente 49 mil metros quadrados (m2) de área residencial, comercial e de escritórios, e vem contribuir para a revitalização de uma zona nobre da Invicta. Os espaços já estão a ser comercializados, em co-exclusivo pelas consultoras JLL, Luximos Christie’s e Savills/Predibisa.

    Este novo condomínio privado, promovido pela Avenue, distingue-se pela implementação de soluções inovadoras, que unem tecnologia e sustentabilidade.

    “É um projecto” mixed use”, com principal foco na habitação, que vai não apenas requalificar uma importante área urbana, mas também reforçar o investimento da Avenue no Porto. É um empreendimento que reflecte o nosso compromisso com a cidade e com o bem-estar da comunidade local”, afirma Aniceto Viegas, CEO da AVENUE.

    O projecto residencial conta com 334 apartamentos, com tipologias T0 a T3+1, distribuídos por quatro edifícios autónomos entre si e com entradas independentes.

    Os apartamentos, com áreas entre os 35m2 e os 144m2, foram concebidos pela OODA. Cada espaço privilegia a elegância, o conforto e a maximização das tipologias, tornando-as verdadeiramente funcionais. Nos pisos superiores, as varandas e os terraços do Fernão Magalhães 127, têm uma vista desafogada 360º: mar, rio, serra e cidade.

    Os acabamentos, materiais e equipamentos são de qualidade superior, com destaque para marcas nacionais e para a eficiência ambiental, energética e ambiental.

    Está prevista a instalação de painéis fotovoltaicos para a produção de energia eléctrica e todos os apartamentos têm estacionamento privativo coberto, com pré-instalação para carregamento de veículos elétricos e parqueamento de bicicletas.

    Além de estar dotado de soluções técnicas que facilitam o dia a dia dos seus residentes, desde os acessos às instalações, à gestão dos equipamentos dentro de casa, o empreendimento está preparado para responder de forma activa aos desafios no âmbito da sustentabilidade ao integrar a certificação AQUA+ para todas as fracções, certificação energética A e a certificação Wired Score para uma conectividade digital mais rápida.

    O Fernão Magalhães 127 dispõe, ainda, zonas de co-working; espaços verdes com jardins e hortas urbanas, ginásio, pista de corrida, campo de Padel, sala de jogos e uma sala de condomínio e eventos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    O primeiro troço da Alta-velocidade, materiais cimentícios para impressão em 3D, o novo Vila Galé da Figueira e a nova edição da TRAÇO no CONSTRUIR 510

    A Alta velocidade é um dos destaques da edição onde lhe contamos sobre uma tecnologia sustentável que permite impressão em 3D com recurso a materiais cimentícios, numa edição onde lhe contamos como foi a inauguração do novo Vila Galé Figueira da Foz e percorremos a edição deste ano do 40 Under 40 com presença de renome portuguesa. Mas há muito mais para ler nesta edição

    CONSTRUIR

    Alta-velocidade: ligação
    Porto-Oiã com duas propostas
    Caberá agora ao Júri do Concurso proceder à análise das propostas apresentadas pelos concorrentes, de acordo com o Programa do Procedimento. A entrega de propostas para o troço Porto-Oiã marca o arranque da primeira fase da nova linha de alta velocidade (LAV) entre Porto-Lisboa

    Impressão 3D com materiais cimentícios em teste
    Com benefícios “significativos” em termos de sustentabilidade e eficiência, esta tecnologia promete um futuro onde a construção é mais “rápida, barata e ecológica”

    OA alerta para problemas na assinatura digital
    A Ordem dos Arquitectos (OA) alerta para constrangimentos “graves” na assinatura digital em ficheiros DWFX, o que impossibilita a assinatura digital qualificada das peças desenhadas

    Vila Galé inaugura hotel na Figueira
    “Um projecto em que pomos em prática um dos desígnios da Vila Galé, o de valorizar o património e dar nova vida a imóveis históricos”, assegura o presidente do Grupo

    A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

    Para mais informações contacte: Graça Dias | gdias@workmedia.pt | 215 825 436

    Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 510

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DA REVISTA TRAÇO

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Obras de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo até ao primeiro trimestre de 2025

    Arranca hoje, 8 de Julho, a empreitada de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo. A cargo da Teixeira Duarte, a intervenção, que terá um custo de 14 M€ deverá estar concluída em Março de 2025

    CONSTRUIR

    No âmbito da empreitada de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo, será necessário condicionar a circulação automóvel no Túnel a partir das 22h00 do dia 8 de Julho, com o corte de uma via de circulação em cada sentido. Actualmente o túnel tem quatro vias de circulação em cada sentido e durante esta intervenção a circulação passará para três vias por sentido, sendo repostas novamente as quatro vias até ao final de Março de 2025.

    A empreitada de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo, no IC17/CRIL, com um investimento associado de cerca de 14 milhões de euros, tem três grandes grupos de objectivos que se complementam: requalificação da infraestrutura ao nível dos requisitos de segurança, de eficiência energética e de sustentabilidade, para garantir o melhor nível de serviço e a exploração integrada da rede adjacente; adequação dos sistemas de segurança de modo a dar cumprimento à Directiva Europeia, relativa aos requisitos de segurança para os túneis da rede rodoviária transeuropeia e rede rodoviária nacional; e reforço dos sistemas de comunicação entre o Túnel do Grilo e o Centro de Controlo de Tráfego (CCT) da IP, localizado no Campus do Pragal, em Almada.

    Paralelamente a intervenção compreende ainda a requalificação da infraestrutura do túnel em betão, com recurso a tratamentos pontuais do betão e pintura da totalidade da extensão das duas galerias do túnel; a construção, em vala, de novos canais técnicos; a reabilitação do sistema de drenagem existente, incluindo nos taludes; e a reabilitação do pavimento em toda extensão do túnel; a reabilitação de um talude; e a construção de um novo edifício técnico.

    O Túnel do Grilo, inaugurado em 1998, está localizado no lanço Olival de Basto / Sacavém do IC17 – CRIL e tem actualmente um tráfego médio diário superior a 115 mil veículos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Diminuíram as transacções de alojamentos no 1.º Trimestre de 2024

    Na sua mais recente “Análise de Conjuntura do Sector da Construção”, a AICCOPN, salienta os números mais recentes do sector. Apesar de observada uma diminuição das Transacções de Alojamentos no 1.º Trimestre de 2024, o Índice de Preços da Habitação continuou a subir, face ao período homólogo. A área licenciada pelas autarquias registou uma ligeira contracção e as obras públicas dispararam

    CONSTRUIR

    No 1º trimestre de 2024, de acordo com a informação divulgada pelo INE, foi transaccionado um total de 33.077 alojamentos, num montante global de 6.731 milhões de euros, valores que traduzem um decréscimo de 4,1% em número e de 1,8% em valor, face ao trimestre homólogo do ano passado. Face ao último trimestre de 2023, verificaram-se, de forma semelhante, decréscimos nas transacções de alojamentos, de 3,1% em número e de 6,2% em valor. Neste período e, apesar da diminuição nas transacções de alojamentos, o Índice de Preços da Habitação registou um crescimento de 7%, em termos homólogos, e de 0,6%, face ao 4º trimestre de 2023.

    Relativamente à área licenciada pelas autarquias, nos primeiros quatro meses deste ano, observa-se uma significativa redução, em termos homólogos, de 11,6%, nos edifícios habitacionais e de 24,5% nos edifícios não residenciais. No que concerne ao número de fogos licenciados em construções novas, verifica-se, até Abril, um decréscimo de 15,3%, para 9.704 alojamentos.

    Quanto ao montante do novo crédito à habitação concedido pelas instituições financeiras, excluindo renegociações, até ao mês de Abril, totalizou 4.971 milhões de euros, valor que corresponde a um aumento de 33,6%, em termos homólogos. Ao nível do stock de crédito de empresas do sector da construção, detido pelas instituições financeiras, no mês de Abril, registou-se uma contracção de 2%, face ao mesmo mês de 2023, para 6.283 milhões de euros.

    No mercado das obras públicas, nos primeiros cinco meses de 2024, observou-se um crescimento nos principais indicadores. O volume total de concursos de empreitadas de obras públicas promovidos observou um expressivo aumento de 95,7%, em termos homólogos acumulados, e o total dos contratos de empreitadas de obras públicas, celebrados neste período, e objecto de reporte no Portal Base até ao passado dia 15 de Junho, registou um acréscimo de 20,3%, em termos de variação homóloga temporalmente comparável.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    4ª edição “ReBuild Ukraine” agendada para Novembro

    A 4ª edição do “ReBuild Ukraine”, dedicada aos sectores da Construção e Energia, decorrerá em Varsóvia, a 13 e 14 de Novembro de 2024, no Centro de Exposições “EXPO XXI”

    CONSTRUIR

    Organizado pela empresa ucraniana “Premier Expo”, o evento conta com o apoio de vários organismos ucranianos, como o ministério da Energia da Ucrânia, ministério da Economia e o ministério para o Desenvolvimento das Comunidades, Territórios e Infraestruturas da Ucrânia.

    O evento “ReBuild Ukraine”, uma plataforma de comunicação entre entidades e empresas interessadas na reconstrução da Ucrânia, é composto por Exposições de equipamentos e produtos e Conferências várias, a realizar numa área de 8.500 m2 repartido por 3 Pavilhões (Pavilhão da Construção, Pavilhão da Energia e Pavilhão Internacional, destinado a acolher os stands dos países estrangeiros).

    O “Pavilhão da Construção”, acolherá empresas de construção / engenharia, arquitectos, projectistas, empreiteiros e expositores especializados em equipamentos para a construção, materiais de construção e de acabamento, sistemas de janelas e fachadas, isolamento de edifícios, construção modular, sistemas de segurança, máquinas para a produção de materiais de construção, geração, sistemas e transferência de calor, refrigeração, ar condicionado e sistemas de ventilação, tecnologias de abastecimento de água e tratamento de águas, gestão de águas residuais, máquinas especiais para construção civil e industrial, tecnologias de instalação, máquinas e equipamentos para a construção de estradas, ferrovias e aeroportos, camiões e veículos para a construção.

    O “Pavilhão da Energia” acolherá empresas de construção de energia, empresas estatais e privadas de energia da Ucrânia, expositores especializados em produção de energia e equipamento de transmissão / transformação, aquecimento central, produção de energia nuclear, gestão de resíduos nucleares, produção de energia verde, construção de linhas de energia, equipamentos de economia de energia e eficiência energética e tecnologias, exploração de petróleo e gás, refinarias de petróleo, oleodutos e gasodutos, mineração de carvão, fontes de alimentação energética independentes, ecologia e equipamentos de protecção ambiental e tecnologias.

    A agenda da edição de Novembro, do “ReBuild Ukraine”, inclui a organização de duas conferências intergovernamentais, uma sobre Energia e outra dedicada à promoção das oportunidades de investimento para a transformação económica da Ucrânia, um fórum sobre construção e uma conferência de doadores onde participarão Instituições financeiras internacionais, doadores, investidores, Instituições Governamentais. As empresas interessadas em participar no evento, deverão fazer um pedido de reserva de espaço até 1 de Setembro.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Angolana Power2Build quer entrar na Europa via Portugal

    A primeira casa em impressão 3D foi construída em Angola, em 2022, recorrendo a materiais locais e cimento convencional. O objectivo da angolana Power2Build é avançar com a expansão internacional em 2025, com a Europa em mente, Portugal é o primeiro ponto de paragem 

    CONSTRUIR

    A Power2Build, empresa angolana responsável pela criação da primeira casa construída com uma impressora 3D da COBOD em África, utilizando exclusivamente materiais locais e cimento convencional, pretende expandir o negócio para Portugal, em 2025, para implementar o centro de operações que vai apoiar a sua expansão para a Europa.

    A start-up fundada em 2020 está actualmente a trabalhar em Angola e conta com 37 colaboradores a tempo inteiro. Um número que deverá duplicar ainda este ano para dar resposta à estratégia da empresa de expansão nacional e internacional. “A Power2Build nasceu com o objectivo de ajudar a reduzir significativamente o défice habitacional em África, através de uma tecnologia de construção que seja mais acessível e com menor impacto ambiental. Este ano, o foco é a consolidação do crescimento em território angolano, mas prevemos avançar com a expansão internacional, em 2025, começando pelos países da região Sadc e Europa. Portugal será a porta de entrada para Power2Build”, sublinha Ricardo Almeida, CEO da Power2Build.

    A Power2Build prevê 2 milhões de euros de volume de negócios, este ano, mas para 2025, através da expansão para novos mercados, a estimativa é atingir um volume de negócios perto dos 16 milhões de euros. Este ano, o foco da Power2Build será a consolidação do crescimento em território angolano, mas prevê ainda, como parte da estratégia de crescimento, entrar nos mercados da Namíbia e República Democrática do Congo, onde já está em fase final de negociação.Na semana passada, a empresa anunciou um investimento de 1,3 milhões de euros na maior impressora 3D do mundo para o sector imobiliário em África.

    Tecnologia 3D Concrete Printing

    Em 2022, a Power2Build construiu a primeira casa em impressão 3D do país, em apenas 48 horas, com recurso a uma impressora 3D de grande dimensão. Neste momento, a Power2Build está a concluir o primeiro condomínio familiar 3D em África, casas de renda média, que ultrapassa os 1.000 m2, nesta primeira fase, e irá atingir os 2.000 m2 na segunda fase.

    A empresa angolana Power2Build conta com os parceiros tecnológicos COBOD e CEMEX, responsáveis pelo desenvolvimento de uma solução que permite ao betão convencional ser impresso de forma mais eficiente, com maior qualidade e a um custo mais reduzido, a Dfab. À margem desta parceria, a Power2Build recorre apenas a parceiros locais para as restantes fases de construção da habitação.

    “Na Power2Build trabalhamos com a diversidade de materiais disponíveis no nosso país e com empresas e recursos locais, exatamente para podermos contribuir para a empregabilidade e desenvolvimento empresarial. É importante que estes sejam projetos da comunidade, para a comunidade”, conclui Ricardo Almeida.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.