Edição digital
Assine já
    PUB
    Imobiliário

    “Vamos continuar na Alta de Lisboa com um novo investimento de 300M€”

    Quase 10 anos depois de iniciarem a sua actividade, a Solyd Properties adaptou a sua estratégia às necessidades do mercado. Posiciona-se como um promotor de ‘mini-cidades’ para a classe média, com o foco no bem-estar e na qualidade. É também um dos primeiros promotores a ter políticas muito concretas de ESG e a criar uma estratégia de actuação em torno desses objectivos, onde acredita que a construção off-site vem dar respostas a muitos destes desafios

    Cidália Lopes
    Imobiliário

    “Vamos continuar na Alta de Lisboa com um novo investimento de 300M€”

    Quase 10 anos depois de iniciarem a sua actividade, a Solyd Properties adaptou a sua estratégia às necessidades do mercado. Posiciona-se como um promotor de ‘mini-cidades’ para a classe média, com o foco no bem-estar e na qualidade. É também um dos primeiros promotores a ter políticas muito concretas de ESG e a criar uma estratégia de actuação em torno desses objectivos, onde acredita que a construção off-site vem dar respostas a muitos destes desafios

    Cidália Lopes
    Sobre o autor
    Cidália Lopes
    Artigos relacionados
    Metro Sul do Tejo vai chegar à Costa e à Trafaria
    Construção
    LG adquire Athom para “potenciar” negócio de espaços inteligentes
    Empresas
    Guimarães é uma das finalistas da Capital Verde Europeia 2026
    Construção
    Nolon comercializa empreendimento Canidelo Residences
    Imobiliário
    Presença portuguesa “bate recorde” na BAU 2025
    Empresas
    Albergaria avança com reabilitação de dois bairros sociais num investimento de 1,5M€
    Construção
    UNIT chega ao mercado para responder à “crescente procura” por habitações em CLT
    Construção
    Sede da Simon em Barcelona distinguida nos Prémios Cataluniya Construcció
    Arquitectura
    Grupo SPintos conclui construção do empreendimento D’Ouro Tower
    Construção
    Zome regista crescimento das vendas na região do Porto
    Empresas

    Ao CONSTRUIR, Gonçalo Cadete, co-fundador da Estoril Capital Partners e chief executive officer da Solyd Property Developers revelou os investimentos previstos em novos projectos na Alta de Lisboa e em Loures, assim como a intenção de recuperar uma ideia já antiga – o Built to Rent

    Na promoção imobiliária desde 2015, ou seja, quase 10 anos depois de terem iniciado a vossa actividade, que balanço fazem?

    Na verdade, para ser mesmo correcto, começámos em 2014. E começámos como Estoril Capital Partners no dia 3 de Julho, sendo que, no entanto, o primeiro investimento só foi formalizado em Maio de 2015. Entretanto, em Portugal, estávamos a sair da crise depois de anos muito complicados como foram 2012, 2013 e 2014 e começou a haver alguma actividade de reabilitação. Já existiam pelo menos dois promotores mais especializados que tinham começado a comprar e a desenvolver projectos. E, nesse sentido, achamos que era uma área onde valia a pena investir.

    Começámos, então, em 2015, na reabilitação a fazer o percurso normal: comprar edifícios degradados ou em mau estado e depois reabilitá-los. Os primeiros projectos foram em Lisboa e no Monte Estoril.

    Houve, portanto, uma primeira fase da nossa existência, digamos assim, onde apostámos nesse tipo de projectos, até 2019. Entretanto, começámos a ter uma perspectiva de escala diferente e que não seria possível com projectos de reabilitação no centro das cidades, onde no, máximo, conseguíamos ter 40 apartamentos. Até porque o nosso parceiro, a Oaktree, enquanto investidor institucional, precisava de um volume de investimento, que se tornava mais difícil atingir apenas com projectos de reabilitação.

    Então, a partir de 2018, pensámos que o mercado estava a ficar um bocado saturado. Era um mercado que estava muito dependente dos compradores estrangeiros e dos Golden Visa. Foi quando pensámos: “Vamos diversificar”. Começámos, então, a olhar para construção nova, para o segmento médio, médio-alto. Havia muita disponibilidade de terrenos, custos de entrada bastante baixos e um desequilíbrio brutal entre procura e oferta.

    No fundo, isso acabou por ser um percurso natural do vosso crescimento também, não é?

    Sim. No fundo, perante uma análise dos diferentes segmentos de residencial, obviamente que nós começámos a desenvolver esta expertise. Na nossa equipa, todos tínhamos experiência, fosse na óptica do investidor, ou na óptica mesmo do promotor e do desenvolvimento ou da gestão imobiliária, mas, como empresa digamos, de promoção, não tínhamos.

    Começámos na reabilitação e depois, então, foi muito natural evoluir para a construção nova porque, lá está, em busca de escala, em busca de um segmento de mercado onde, estruturalmente, houvesse um maior desequilíbrio entre procura e oferta e onde pudéssemos investir com escala e com margem. E também, de alguma forma, responder a uma necessidade do mercado, que se irá continuar a verificar.

    Sim, até porque este tipo de projectos têm de ser pensados, também, a longo prazo…
    Sim. Isso é uma questão que nós temos tido no nosso País, enfim, e que agora temos esperança, que com o novo Governo e o Simplex estes processos possam ser melhorados. A verdade é que temos tido sempre uma instabilidade legislativa relativamente grande, à qual se junta a questão de processos de licenciamento muito longos.

    É curioso que quando começámos e, porque ainda havia poucos projectos a vir para o mercado ou em processo de licenciamento, as câmaras eram muito rápidas. Mas depois, rapidamente, entupiram e os processos começaram a demorar muito tempo e, obviamente, isso é muito frustrante na óptica do ciclo de desenvolvimento do projecto e que leva, muitas vezes, à necessidade de rever os planos de investimentos.

    Como se posicionam neste momento no mercado?
    A nossa estratégia tem sido ir ao encontro das necessidades do mercado. Iniciamos no segmento alto, com a reabilitação. Depois o empreendimento Mirear, em Miraflores é para um segmento, claramente, de classe média alta. O Altear é classe também média / média alta, eu diria, abaixo desta. E Loures, Santo António dos Cavaleiros, claramente, segmento mais médio.
    Mas o nosso desígnio é ir ao encontro, digamos, da maior massa de portugueses, que são famílias de classe média. E, portanto, estamos muito atentos aos programas todos das câmaras, do Governo, e o nosso desígnio é ir nesse sentido.

    Quando entraram no mercado da habitação nova começaram a ter projectos apenas em Lisboa ou na Grande Lisboa. O que procuram quando desenvolvem um projecto?
    Não temos muitas localizações, mas nas localizações onde estamos, temos uma dimensão significativa e, de alguma forma, dominamos ou somos o promotor preponderante nessa localização. E, sim, tem sido de facto uma estratégia.

    A ideia é escolher uma localização que vá ao encontro, digamos, das tendências, tendências estas que até acabaram por ser muito acentuadas com o Covid, ou seja, o facto de as pessoas passarem cada vez mais tempo nas suas casas.

    Não só em lazer, mas também a trabalhar, portanto, em inglês, ‘homification’, em que a casa passou a ter uma importância muito maior do que tinha.

    Para nós que fazemos habitação nova, esta tem que ser confortável e tem que oferecer uma série de infraestruturas que permitam também tornar essa vivência mais agradável. Por estes motivos faz-nos sentido apostar em projectos maiores.

    No fundo, como uma ‘mini cidade’ ou as chamadas cidades dos 15 minutos…
    Exactamente. Sim, no fundo é que tentamos recriar. Para a Solyd este conceito já é o presente. Temos de olhar para a localização e pensar no que se consegue criar nessa localização, tanto na nossa casa como na infraestrutura do condomínio e na envolvente.

    Por exemplo, o Mirear, aqui em Miraflores. De um lado temos um parque municipal, de outro lado temos Monsanto, perfeitamente acessível, porque tem uma passagem subterrânea. Ao mesmo tempo, no que diz respeito ao condomínio, temos uma série de infraestruturas que nos permite, se quisermos, sair de casa e estar a trabalhar no condomínio, ou ir dar um mergulho numa piscina, ou ir correr no ginásio, e depois, ao mesmo tempo, na nossa casa, temos varandas muito grandes, janelas com vãos também muito generosas e, portanto, eu estou em casa, mas tenho quase um prolongamento para a rua, obviamente, numa lógica de apartamentos, que é o que nós fazemos.

    Estamos sempre a olhar para novas localizações nesta lógica e em zonas que permitam, também uma lógica de continuidade, como é o caso da Alta de Lisboa, que se desenvolveu muito a partir do momento que começámos ali a construir, em particular porque estamos numa área que percepcionada como sendo pouco segura e que estava abandonada há anos.

    Em que fase se encontra actualmente o Altear?
    O Altear conta com 10 edifícios, dos quais sete já estão concluídos e entregues. Temos um que até ao final do ano ficará, também, concluído e depois vamos ter mais dois. São no total 536 apartamentos e 27 espaços comerciais e está praticamente todo vendido. Temos muito poucas unidades que restam no Altear Jardins 1 e 2, que são os últimos dois edifícios que ainda se encontram, digamos, numa fase intermédia de construção. A ideia é, que até ao próximo ano, consigamos entregar a totalidade dos dez edifícios.

    E prevêem continuar a investir na Alta de Lisboa?
    Sim, na realidade vamos avançar para uma segunda fase do Altear e que será ainda maior. Prevemos um investimento na ordem dos 300 milhões de euros [o do Altear I foi de 225 milhões de euros], porque se trata de um plano ainda maior, mas que neste momento se encontra em diferentes fases de licenciamento.

    Dado que o vosso plano de construção nova continua, que outras localizações vos poderiam, igualmente, despertar interesse?
    Eu diria que não somos um promotor do centro de Lisboa e indo ao encontro da ideia de fazer empreendimentos para o segmento de classe média alta e de classe média, com as tais características que já falámos, procuramos localizações na periferia, nomeadamente Área Metropolitana de Lisboa, tanto na margem Norte como na margem Sul.

    Zonas com uma boa rede de transportes, educação, saúde, serviços, que tenham escala e que permitam, no fundo, desenvolver de forma continuada, para o futuro, a localização.

    Neste sentido, ainda temos capacidade para desenvolver mais projectos tanto na Alta de Lisboa, como em Santo António dos Cavaleiros, onde temos o Élou.

    Como é que se processa essa continuidade?
    Vamos comprando lotes, vamos aprovando projectos e vamos desenvolvendo. Nós temos o desígnio, mas, enfim, como gostamos de fazer as coisas de forma
    sustentada e já analisámos várias oportunidades, mas nunca acabámos por concretizar, tanto na área Metropolitana do Porto, como no Algarve. Mas, portanto, vemo-nos nessas três localizações.

    Os vossos projectos têm, também, uma grande preocupação com sustentabilidade e a mobilidade. De que forma estes aspectos são hoje determinantes para o tipo de habitação que querem desenvolver?
    Tentamos, por um lado, que as infraestruturas de transporte sejam muito boas e depois também apostar em tudo o que é mobilidade eléctrica. Em todos os nossos empreendimentos temos pré-instalação para a instalação de carregadores eléctricos e gestão inteligente desses carregadores.

    Claro, hoje há todo um novo paradigma ao qual não é possível ficar alheio. Aliás, temos uma parceria com a EDP para termos acesso às soluções mais sofisticadas, tanto a nível de carregamento, como depois da gestão.

    E essa parceria está presente em todos os vossos empreendimentos?
    Sim, em todos eles. Há uma preocupação grande a vários níveis. Por um lado, com a eficiência energética e neste sentido, o Élou é NZEB. Não obstante, tratar-se de um projecto para a classe média, existe um conjunto de equipamentos como painéis solares, bombas de calor, elevadores de alto rendimento, com poupança de energia e que geram a sua própria energia no movimento descendente. Também os revestimentos, assim como as caixilharias com todas as janelas a apresentarem um comportamento térmico e acústico também de elevado desempenho.

    Por exemplo, o tema da água e da poupança da água é importantíssimo e neste capítulo temos uma parceria com a Grohe, já que é uma empresa que têm uma serie de sistemas com poupanças de até 70% do consumo de água. Por exemplo, os chuveiros têm injecção de ar para terem pressão e, ao mesmo tempo, consumir menos água, sem que se perca a experiência do duche.

    Depois, temos também uma preocupação muito grande ao nível dos resíduos, da utilização de materiais reciclados e que possam, por sua vez, ser também recicláveis. Este aspecto está cada vez mais presente nos nossos projectos, até porque somos dos poucos promotores com relatórios de sustentabilidade publicados e onde detalhamos tudo o que fazemos em termos de sustentabilidade e ESG.

    Como é que isso se traduz na prática?
    Por exemplo, todos os nossos contratos com os empreiteiros, com os fornecedores, têm uma série de cláusulas que obrigam à gestão de resíduos, a uma série de preocupações, também, com a mão de obra. Portanto, com todas as fases. Temos, também, promovido, a industrialização, tanto fora, como na própria obra. Para quê? Para termos menos resíduos, para aumentar o nível de reciclagem.

    Existe uma série de medidas que vão no sentido de fazer com que haja menos emissões, menos resíduos, um tratamento muito mais eficaz desses resíduos, uma incorporação muito maior de materiais reciclados e recicláveis.

    E, depois, uma série de componentes de eficiência energética, tanto ao nível da electricidade, como quanto à água. A incorporação de bombas de calor, painéis solares ou fotovoltaicos. Somos um promotor com uma grande preocupação técnica. Mais de metade da nossa equipa são engenheiros e arquitectos, o que acaba por nos dar outra visão dos projectos.

    O que é que muda?
    Temos muito cuidado com os projectos, com a contratação desses projectos, com o acompanhamento próximo dos empreiteiros e do produto final. O facto de fazermos parte de uma organização internacional, imputa-nos essa responsabilidade. Estamos agora a preparar o nosso terceiro relatório. Tudo isto é um processo, em que estamos continuamente a melhorar.

    Mas ter poucos projectos também nos permite ter um maior impacto, uma maior intervenção no próprio território. E trabalhar com as várias entidades. E fazer a diferença no fim do dia. É isso que nós queremos.

    Há aqui uma ‘democratização’ da qualidade?
    Exactamente. Ou seja, não estamos a fazer um produto diferente só porque tenho públicos-alvo diferentes, seja em termos de conceito arquitectónica, seja ao nível das comodidades, das áreas ou dos materiais. Queremos padronizar e julgo que neste caso a industrialização veio dar um importante impulso.

    Acompanhar as diferentes tendências, tanto em termos de materiais, como de industrialização e de padronização, permite ir nesse sentido?
    Porque é que para nós a escala é importante? Obviamente, é nesta perspectiva de criar cidade, mas também é no sentido de ter uma escala grande que permita diluir os custos e, portanto, permite-nos também ter um melhor produto.

    Sabemos que os custos de construção têm um peso enorme e que isso se reflecte no preço final. É muito mais difícil oferecer o produto de Loures ao preço que está, do que o preço em Miraflores. É por isso que poucos promotores investem nesse segmento.

    É necessário fazer uma grande gestão ao nível dos custos e a industrialização permite-nos isso. Por exemplo, no Élou o desafio foi criar um produto funcionalmente muito agradável e com padrão alto e por isso desenvolvemos um projecto em que determinados elementos pudessem ser padronizados. Isto acontece, por exemplo, ao nível de todas as grades das varandas ou com os armários ou, até, com as casas de banho que são pré-fabricadas e instaladas posteriormente.

    Há um conjunto de técnicas industriais e de escolha de materiais modernos que fazem com que a percepção seja de grande qualidade, tanto em termos de durabilidade e que, ao mesmo tempo, seja eficiente em termos de custos.

    Nós começámos os ensaios no segmento alto, mas queremos ir, cada vez mais, para um segmento popular, mas não é uma coisa muito fácil de fazer. É uma discussão que temos muitas vezes com as Câmaras, muitas vezes com os bancos e que todas essas entidades nos têm apoiado neste movimento, mas é um desafio.

    Sobre o Simplex, como olham para as alterações que este programa está a trazer?
    Estamos todos bastante optimistas. Mas da nossa parte, que temos projectos com dimensão e que, por isso, desenvolvemos uma relação relevante com as Câmaras, mas também com os bancos, que não se irá alterar com estes novos processos.
    Obviamente que, tudo o que diminua prazos de licenciamento, de regulamentações e de procedimentos é muito positivo para o mercado.

    Também ao nível da exigência de um maior acompanhamento da obra não nos parece problemático, até porque na maior parte dos financiamentos bancários, já tínhamos fiscalização externa alinhada com as entidades financiadoras.

    Mas isso já existe noutros países, já é assim noutros países, e de alguma forma também era o que a indústria pedia há muitos anos. No fundo, há aqui algumas ‘dores de crescimento’, mas que é normal.

    Ainda no residencial, que outros segmentos não descartam e que é uma possibilidade de investimento?
    Há um que é natural e que nós, no fundo, estamos a analisar. No passado até dissemos que gostávamos de entrar, que é o Build to Rent. Portanto, o desenvolvimento de projectos voltados para arrendamento.

    A rentabilidade desses projectos é mais baixa do que o Build to Sell, portanto, de projectos para venda. E, portanto, quer dizer, quando nós pesamos na balança, tem sido economicamente muito mais favorável. Mas é qualquer coisa que está no nosso radar e não descartamos, inclusivamente, fazer um piloto para ensaiar um projecto para arrendamento.

    E procuram alguma parceria para esse tipo de projecto?
    Não, não. Nós temos as competências para fazer. E depois o que acontece, tipicamente, é que esses projectos, depois de estarem feitos e com os apartamentos arrendados, são adquiridos por investidores institucionais, como seguradoras, fundos de pensões, esse tipo.

     

    Sobre o autorCidália Lopes

    Cidália Lopes

    Jornalista
    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Metro Sul do Tejo vai chegar à Costa e à Trafaria
    Construção
    LG adquire Athom para “potenciar” negócio de espaços inteligentes
    Empresas
    Guimarães é uma das finalistas da Capital Verde Europeia 2026
    Construção
    Nolon comercializa empreendimento Canidelo Residences
    Imobiliário
    Presença portuguesa “bate recorde” na BAU 2025
    Empresas
    Albergaria avança com reabilitação de dois bairros sociais num investimento de 1,5M€
    Construção
    UNIT chega ao mercado para responder à “crescente procura” por habitações em CLT
    Construção
    Sede da Simon em Barcelona distinguida nos Prémios Cataluniya Construcció
    Arquitectura
    Grupo SPintos conclui construção do empreendimento D’Ouro Tower
    Construção
    Zome regista crescimento das vendas na região do Porto
    Empresas
    PUB

    Foto: Site da Câmara Municipal do Seixal

    Construção

    Metro Sul do Tejo vai chegar à Costa e à Trafaria

    Assinatura para definir os termos e condições de cooperação a estabelecer entre a Câmara de Almada, o Metropolitano de Lisboa e a TML irá acontecer dia 15 de Julho na Costa da Caparica

    CONSTRUIR

    O Metro Sul do Tejo vai avançar até à Costa da Caparica e à Trafaria. A assinatura do protocolo de colaboração entre a autarquia de Almada, o Metropolitano de Lisboa e a Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML), com vista a definir os termos e condições de cooperação a estabelecer entre as partes, irá acontecer no próximo dia 15 de Julho, na Praça da Liberdade, na Costa da Caparica.

    Este novo troço visa reduzir a dependência do transporte individual, respondendo assim ao compromisso de Portugal de atingir a neutralidade carbónica em 2050.

    Inês de Medeiros, presidente da Câmara Municipal de Almada, preside à cerimónia de assinatura, tendo em vista o estudo, planeamento e concretização do projecto de prolongamento do Metro Sul do Tejo até à Caparica e Trafaria, designadamente no que se refere ao seu objecto, custos, faseamento e definição do traçado. A cerimónia conta, também, com a presença da Secretária de Estado da Mobilidade, Cristina Pinto Dias.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    LG adquire Athom para “potenciar” negócio de espaços inteligentes

    Com uma participação de 80% na Athom, os restantes 20% deverão ser adquiridos nos próximos três anos. O objectivo é conectar a tecnologia da Athom com a plataforma LG ThinQ com IA generativa para fazer a gestão de electrodomésticos e dispositivos loT para criar um ambiente personalizado

    CONSTRUIR

    A LG Electronics adquiriu recentemente uma participação de 80% na Athom, uma empresa que actua no sector de plataformas para casas inteligentes, sediada em Enschede, nos Países Baixos, sendo que este acordo prevê a aquisição dos restantes 20% nos próximos três anos. Esta operação estratégica procura optimizar a conectividade da LG dentro dos ecossistemas abertos de smart homes.

    Ao integrar as capacidades da Athom com a tecnologia ‘Affectionate Intelligence’ da LG, a empresa demonstra o seu compromisso com a liderança de uma nova era de inovação doméstica impulsionada por IA.

    A LG planeia integrar a ampla conectividade da Athom, ao nível de milhares de electrodomésticos, sensores e dispositivos de iluminação, com a plataforma LG ThinQ com IA generativa, com o objectivo de criar uma casa inteligente com soluções optimizadas para o espaço em questão, o que permite adquirir um conhecimento mais profundo do utilizador.

    Desta forma, nestas LG Smart Homes, os clientes vão interagir com IA generativa, que fará a gestão de electrodomésticos e dispositivos loT para criar um ambiente personalizado, adaptado às suas preferências.

    A LG procura expandir as diferentes experiências das casas inteligentes para diversos espaços onde os clientes passam o seu tempo, como os espaços comerciais e ambientes de mobilidade, de forma a concretizar efectivamente e fazer evoluir o conceito de ‘espaço inteligente’.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Guimarães é uma das finalistas da Capital Verde Europeia 2026

    Pelo segundo ano consecutivo Guimarães volta a ser uma das finalista ao título de Capital Verde Europeia. A shortlist inclui ainda as cidades de Heilbronn e Klagenfurt. A cidade vencedora será conhecida a 24 de Outubro

    CONSTRUIR

    Guimarães está na shortlist das três cidades finalistas que disputam o título de Capital Verde Europeia 2026. O município chega à fase final da competição pelo segundo ano consecutivo e disputará o título com Heilbronn (Alemanha) e Klagenfurt (Áustria). A cidade vencedora será conhecida a 24 de Outubro, numa cerimónia que terá lugar em Valência, Capital Verde Europeia em 2024.

    Para Domingos Bragança, presidente da Câmara Municipal de Guimarães, “é um enorme orgulho para o município de Guimarães ver novamente valorizado o trabalho que desenvolve em prol da sustentabilidade”. O edil considera que a presença de Guimarães, pelo segundo ano consecutivo, entre as cidades finalistas ao título de Capital Verde Europeia é a prova de que o caminho que está a ser trilhado é o certo. “O nosso compromisso com o desenvolvimento ambientalmente sustentável só é possível com o apoio das escolas e universidades, empresas e cidadãos, pois só dessa forma alcançaremos o objectivo comum de sensibilizar a população para a necessidade de proteger o ambiente e assim combater as alterações climáticas. As iniciativas e acções que temos vindo a realizar, ao longo dos últimos anos, fazem de Guimarães uma cidade referência para as outras cidades, portuguesas e europeias”, afirma o autarca.

    O painel de sete especialistas independentes que avaliou o lote inicial de nove cidades candidatas valorizou o desempenho das três cidades finalistas, incluindo Guimarães, em sete parâmetros ambientais: qualidade do ar; qualidade da água e eficiência; biodiversidade, áreas verdes e uso sustentável do território; desperdício e economia circular; poluição sonora; desempenho energético e mitigação das alterações climáticas; e adaptação às mesmas.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Nolon comercializa empreendimento Canidelo Residences

    O empreendimento de luxo, composto por seis moradias, conta com a assinatura do gabinete de arquitectura UrbanCore e tem a sua conclusão prevista para o final de 2025

    CONSTRUIR

    A Nolon, marca imobiliária do grupo Finsolutia, está a comercializar o empreendimento Canidelo Residences, formado por seis moradias premium V4 no coração de Canidelo, em Vila Nova de Gaia. Este projecto residencial, com conclusão prevista para o final de 2025, destaca-se como um exemplo de requalificação urbana, respeitando o património cultural da zona envolvente e todas as regulamentações urbanísticas.

    Com assinatura do gabinete de arquitectura UrbanCore, o design foi pensado ao pormenor para maximizar a relação entre os espaços interiores e o exterior. Foram criados dois logradouros, sendo o primeiro voltado para a via pública e o segundo na zona posterior, destinado ao uso privativo dos moradores.

    O Canidelo Residences é marcado pela sua imagem contemporânea sóbria e design sofisticado, características que se traduzem em espaços amplos no interior e acabamentos de excelência, com vista para o mar e rio Douro.

    Com áreas brutas de construção que variam entre os 319 me e 339 m2, estas moradias de luxo situam-se a uma distância de apenas 5 minutos da Praia de Lavadores, da Reserva Natural do Estuário do Douro e da Douro Marina.
    Neste empreendimento de luxo, as seis moradias, dispostas duas-a-duas em terrenos independentes entre os 288 m2 e os 450 m2, conjugam, assim, a melhor orientação solar e a paisagem envolvente.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Presença portuguesa “bate recorde” na BAU 2025

    São mais de 20 as empresas portuguesas que irão expor os seus produtos e soluções, cuja temática da feira pretende reflectir o conceito de “climate-friendly”

    CONSTRUIR

    A BAU 2025 irá decorrer de 13 a 17 de Janeiro e, embora haja ainda algum espaço para as últimas inscrições de expositores, a organização já declarou que os 18 pavilhões se encontram esgotados.

    A presença portuguesa, nesta que é considerada a feira “líder mundial” de arquitectura, materiais e sistemas de construção, aponta para a inscrição de mais de 20 empresas que irão expor em 1400 metros quadrados (m2). “Trata-se de um novo recorde de expositores e, em 10 anos, Portugal passou a ocupar o triplo de área de exposição”, indica a organização da feira.

    O tempo é de resiliência e as intervenções urbanas e arquitectónicas requerem um pensamento holístico. As cidades terão de adotar necessariamente princípios sustentáveis e a construção tem de corresponder às exigências “climate-friendly”.

    “Todos os agentes irão estar presentes neste encontro de cinco dias em Munique e todos, entidades públicas, arquitectos e engenheiros são peças-chave e partes fundamentais da resposta global que a indústria deve assumir”, reforçam.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Albergaria avança com reabilitação de dois bairros sociais num investimento de 1,5M€

    Este investimento integra a estratégia de reabilitação e construção do parque habitacional do município, a qual conta com um financiamento global superior a 4,2 milhões de euros do PRR

    CONSTRUIR

    O município de Albergaria-a-Velha avança com a requalificação de dois bairros sociais, num total de 44 habitações, 32 no Bairro das Lameirinhas e 12 no Bairro de Napoleão. O investimento, superior a 1,5 milhões de euros terá um impacto na vida de 150 pessoas.

    A reabilitação dos dois bairros irá incidir essencialmente na substituição de coberturas e pavimentos, na beneficiação de caixilharias, casas de banho, móveis de cozinha e roupeiros, na colocação de bombas de calor, entre outros trabalhos, visando uma melhor eficiência energética e conforto para os moradores.

    “É um marco muito importante para Albergaria-a-Velha a concretização de um objetivo do executivo, melhorar a habitação social municipal conferindo-lhe a dignidade e adequação que os moradores merecem. Neste momento damos início à requalificação de dois bairros de habitação social cujo montante ascende a 1,5 milhões de euros, após a garantia do seu financiamento a 100%, reflectindo todo o empenho na concretização de uma estratégia habitacional oportuna”, assegura Catarina Mendes, vereadora responsável pela área de Habitação do município.

    A reabilitação do parque habitacional municipal integra a Estratégia Local de Habitação do Município de Albergaria-a-Velha será um contributo relevante para melhorar as condições de acesso da população à habitação, incluindo ainda vários programas de apoio nesta área, tais como o programa de Apoio ao Arrendamento Urbano para Fins Habitacionais ou o Apoio à Recuperação de Habitações Degradadas.

    Este projecto decorre no âmbito das candidaturas submetidas pelo Município junto do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), para financiamento pelo Plano de Recuperação e Resiliência, no âmbito do Programa de Apoio ao Acesso à Habitação. Recorde-se que o Município celebrou, no dia 12 de Junho, o Termo de Responsabilidade e Aceitação relativo a Candidaturas para Reabilitação e Construção de Habitações, numa cerimónia que teve lugar na CCDR Centro, em Coimbra, e que contou com a presença do ministro das Infraestruturas e Habitação, Miguel Pinto Luz e do ministro Adjunto e da Coesão, Manuel Castro Almeida, tendo sido já garantido um financiamento global superior a 4,2 milhões de euros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    UNIT chega ao mercado para responder à “crescente procura” por habitações em CLT

    A Unit nasce da “vontade mútua” de utilizar a inovação, o design, a arquitectura e a tecnologia como ferramentas de mudança positiva, contribuindo para uma construção “ambientalmente e economicamente mais responsável”

    CONSTRUIR

    Fundada em 2023 por Francisco Salgado Ré, arquitecto português cofundador do atelier AND-RÉ, e Esther Bahne, marketeer alemã com vasta experiência em negócios sustentáveis, a Unit nasce da “vontade mútua” de utilizar a inovação, o design, a arquitectura e a tecnologia como ferramentas de mudança positiva, contribuindo para uma construção “ambientalmente e economicamente mais responsável”.

    Dado o “elevado” interesse por experiências de alojamento em ambientes de natureza, a entrada da Unit Living no mercado português tem sido “positiva”.

    A Unit Living diferencia-se pelo design e estética que conferem às unidades, permitindo múltiplas configurações conforme as necessidades e preferências de cada cliente. Entre estas incluem-se a posição das janelas, para que se enquadrem na melhor paisagem do local, o acabamento da madeira exterior, disponível nos tons Natural Wood, Black Stained e Whitewashed, ou as paredes interiores, que podem manter a cor natural da madeira ou ser pintadas de branco.

    As UNITs incluem uma casa de banho completa, podendo ser equipadas com uma cozinha, guarda-roupa, secretária, mobiliário, entre outros elementos de configuração disponíveis. O deck externo permite conectar várias unidades, uma funcionalidade importante para quem procura opções de maior dimensão ou deseja aumentar a estrutura actual.

    Tudo começa na selecção de materiais, com toda a estrutura das UNIT´s feita em CLT (Cross-Laminated-Timber), um material de construção sustentável composto por várias camadas de madeira coladas perpendicularmente entre si, formando painéis de grande resistência e estabilidade, conferindo assim a durabilidade desejada às unidades.

    “O CLT é um material sustentável que conserva as propriedades da madeira natural, elevando os valores estéticos e sensoriais dos espaços. Proporciona inúmeras vantagens em relação à construção tradicional em betão, nomeadamente a elevada resistência e robustez, aliada a tempos de construção mais rápidos, redução de custos e desperdício, bem como um menor impacto ambiental desde o fabrico, passando pelo transporte, até à instalação no local” afirma Francisco Salgado Ré, cofundador da Unit Living.

    Rapidez é uma das palavras-chave do projecto, sendo necessárias apenas 12 semanas para a fabricação das UNITs. Importa destacar também o cuidado no processo de implementação, que é feito de modo a minimizar o impacto nos terrenos, uma vez que cada UNIT é entregue já finalizada, limitando o número e a profundidade das intervenções no solo.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Simon – Switch Barcelona (@puigdellivol)

    Arquitectura

    Sede da Simon em Barcelona distinguida nos Prémios Cataluniya Construcció

    A transformação da antiga fábrica num edifício de escritórios recebeu o prémio ex aequo para a Remodelação 2024

    CONSTRUIR

    A Switch, a nova sede corporativa da Simon em Barcelona, foi galardoada com o prémio ex aequo para a Remodelação 2024 na XXIª edição dos Prémios Catalunya Construcció.

    De acordo com o Colégio de la Arquitetura Técnica de Barcelona (Cateb), que atribuiu os prémios com o apoio da Arquinfad e do Consejo de la Arquitetura Técnica de Catalunya, o edifício destacou-se pela “notável” transformação da sua antiga fábrica num edifício de escritórios moderno e sustentável, preservando e realçando a estrutura original.

    Os Prémios Catalunya Construcció destacam a qualidade da obra construída, os métodos e processos de execução e o trabalho profissional das equipas técnicas, muitas vezes multidisciplinares.

    Esta conquista foi possível graças aos principais colaboradores no desenvolvimento e execução da obra, entre os quais Dalmau Morros, Bis, b720 Fermín Vázquez Arquitectos, Calaf, Agefred, Martí Avilés, Antoni Arola, Katty Schiebeck, MMAS Lighting Design con Michela Mezzavilla, e JG Ingenieros.

    O júri desta edição foi constituído por profissionais de renome, como Teresa Arnal, chefe de obra e empresária, Josep Augé, coordenador de Saúde e Segurança, Vanessa Ballester, profissional liberal, Miquel Espinet, arquiteto, Josep Lluís Gil, gestor de projeto e Ismael Guerrero, engenheiro.

    Estes peritos efectuaram uma selecção entre as 22 candidaturas finalistas que concorriam em seis categorias: Gestão de Execução da Obra, Chefe de Obra, Gestão Integrada de Projeto, Coordenação de Segurança e Saúde, Inovação em Construção e Reabilitação (Patrimonial, Funcional, Energética).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Grupo SPintos conclui construção do empreendimento D’Ouro Tower

    Em Vila Nova de Gaia, a construtora tem, ainda, em curso as obras de construção dos Jardins da Seara, em Oliveira do Douro, e os empreendimentos “Repúblicas” em Mafamude. Brevemente serão lançadas as obras do Edifício Vintage Garden, na cidade do Porto, e o Edifício Tetris, também em Gaia

    CONSTRUIR

    O Grupo SPintos, através da sua construtora SPintos – Engenharia e Construção, e da sua promotora Propiso – Empreendimentos Imobiliários, acaba de concluir a empreitada de construção do empreendimento D’Ouro Tower, em Vila Nova de Gaia. O empreendimento representou um investimento de cerca de 8 milhões de euros.

    Segundo o Grupo, este empreendimento destaca-se pela arquitectura “contemporânea”, onde sobressai o betão e os reflexos dourados, com os seus apartamentos “amplos” e “cuidada” selecção dos materiais e aposta na sustentabilidade.

    “A elevada qualidade de construção e dos acabamentos posiciona o empreendimento D’Ouro Tower no segmento de habitação premium, projetado para um ambiente cosmopolita e urbano”, indicam.

    “Todo o projecto do D’ouro Tower foi pensado para criar o máximo conforto, usufruindo da vista do Rio Douro, que serviu de inspiração de base à construção do edifício”, destaca o promotor, sublinhando que “a aposta na construção de grande qualidade e nos acabamentos de luxo, pretende ir ao encontro das necessidades dos investidores, oferecendo um produto premium, bem localizado e numa zona de grande procura e óptimos acessos”

    Este empreendimento de 10 pisos, é constituído por 60 apartamentos e 1 loja. De referir que 11 apartamentos são de tipologia T0 com mezzanine, 33 apartamentos T0 e 16 apartamentos T2. No rooftop do edifício destaca-se, ainda, uma piscina e um espaço de lazer. Outras áreas de destaque contemplam um bicicletário e um amplo lobby de convívio, e lavandaria comum.

    Em Vila Nova de Gaia, a construtora tem, ainda, em curso as obras de construção dos Jardins da Seara, em Oliveira do Douro, e os empreendimentos “Repúblicas” em Mafamude.

    Brevemente serão lançadas as obras do Edifício Vintage Garden, na Rua Costa Cabral, na cidade do Porto, e o Edifício Tetris, no centro de Vila Nova de Gaia (Tv. do Agueiro).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Zome regista crescimento das vendas na região do Porto

    Com um crescimento de mais 34% no income, comparando com o período homólogo, Junho de 2024 torna-se o “melhor mês de sempre” do hub Porto CEC da marca

    CONSTRUIR
    tagsZome

    A Zome tem registado um aumento das vendas na região Norte do País, tendo a Zome Porto CEC encerrado Junho com um crescimento de mais 34% no income, comparando com o período homólogo. Junho de 2024 torna-se, assim, o “melhor mês de sempre” deste hub da marca, numa altura em que começam a notar-se os impactos não só da descida das taxas de juro, como também das novas políticas governamentais para o sector.

    A Zome Porto CEC realizou 123 transacções no sexto mês do ano, o que representa um aumento de 27% no número de imóveis comercializados. Destas, 55% foram apartamentos e 21% moradias. Estes resultados contrariam a tendência de desequilíbrio entre oferta e procura de activos residenciais em zonas urbanas, em particular, na zona do Porto.

    De recordar que a Zome revelou os resultados financeiros do primeiro quadrimestre de 2024, com o anúncio de um aumento de 36,4% no volume de negócios, totalizando cerca de 450 milhões de euros. Um desempenho que reflecte um “crescimento consistente e sustentado” no mercado português, no ano em que celebra o seu quinto aniversário.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.