Sede da Trienal de Lisboa reabre com exposição “Matéria para escavação futura”

Por a 26 de Abril de 2021


“Matéria para Escavação Futura” é a nova exposição apresentada no pólo cultural que reside no Palácio Sinel de Cordes e sede da Trienal de Arquitectura de Lisboa e que, desta forma, reabrem ao público. Financiada pela Direcção Geral das Artes, é uma co-produção Artéria e Trienal de Lisboa, a exposição, com curadoria de Ana Jara e Joana Braga, irá estar patente de 27 de Abril a 22 de Maio.

Olhar e interrogar a cidade na sua forma tangível, mas também nas relações com quem a habita, com a memória e com as hipóteses de futuro é a proposta da “Matéria para Escavação Futura”, que explora Lisboa e suas idiossincrasias, através de caminhadas especulativas pela zona Oriental de Lisboa feitas por seis artistas.

O resultado é apresentado sob a forma de percurso expositivo através de seis obras assinadas por Carlos Gomes, Fernando Ramalho, Luísa Ferreira, Tânia Moreira David e Valter Vinagre. Este grupo de artistas portugueses com diferentes linguagens e formas de expressão artísticas “escavam” diferentes diálogos com Lisboa, a sua espacialidade e vivência, questionando as lógicas organizacionais do traçado urbano através da fotografia, do vídeo e da instalação sonora.

O ponto de partida do projecto deu-se em 2019 com uma série de micro-residências realizadas na Trienal de Lisboa, em que o método para exploração do território proposto foi um conjunto de caminhadas desligadas da aceleração da vida contemporânea e que teriam em conta três imagens conceptuais capazes de problematizar a cidade: “quinta-fachada”, “cidade-imagem” e “limiar”. A pandemia interrompeu e adiou o processo, mas levou também a que os processos de criação incorporassem as mudanças de relação com a cidade que daí resultaram. A partir daí, foi dada carta branca para o desenvolvimento das obras.

Como resultado, Fonografia do Cuidado é a instalação sonora apresentada por Fernando Ramalho. Uma compilação de sonoridades urbanas, sublinhando um traçado composto tanto de matéria construída como de relações sociais.

Valter Vinagre desenvolve a obra Inscrição, um olhar fotográfico sobre o Vale de Santo António, um lugar invisível ao sistema urbano estruturado e rejeitado pela imagem contemporânea da cidade que o envolve.

Através de imagens em movimento, Carlos Gomes apresenta Cidades Subtis, um vídeo onde um corpo atravessa o espaço urbano num percurso imprevisível, a caminhada como chave que abre e cruza novas espacialidades.

A arquitecta e realizadora Tânia Moreira David expõe Found Movement, vídeo que articula e recompõe imagens de arquivo dos anos 70, retratando o trabalho físico dos estivadores do Porto de Lisboa.

Sem Prata é o olhar fotográfico de Luísa Ferreira sobre a margem e as suas mutações onde apresenta a dissolução da relação produtiva da cidade com o rio, o desmantelamento das estruturas do Porto de Lisboa e a sua substituição por espaços de lazer e habitações de luxo.

A dupla Tânia Moreira David e Fernando Ramalho mostra Habitantes, um vídeo onde a imagem se assume como início de uma viagem para uma realidade espácio-temporal díspar, propondo-nos uma reflexão sobre a forma como olhamos o mundo e sobre as ordens pré-estabelecidas que muitas vezes nos impedem de percepcionar e entender os detalhes dos lugares que habitamos.


Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *