Estudo: “O volume de investimento imobiliário global vai subir em 2021”

Por a 5 de Março de 2021


A actividade de investimento na Europa deverá voltar a crescer na segunda metade do ano, eventualmente precedendo a de ocupação, impulsionados pelos elevados volumes de liquidez e a procura latente e não-satisfeita, de acordo com o mais recente estudo internacional sobre investimento imobiliário “The Signal” da Cushman & Wakefield.

Os principais factores que vão contribuir para esta retom,a ainda este ano, serão as baixas taxas de juro, elevados volumes de capital, rentabilidades atractivas face a outras alternativas de investimento, uma forte procura latente e uma perspectiva optimista por parte dos investidores face à retoma. De acordo com os dados da consultora, o volume de investimento imobiliário global vai subir em 2021, devendo fechar o ano 15% abaixo 2019.

O interesse em escritórios deve recuperar a partir do segundo semestre, e os setores de hotelaria e retalho também deverão registar uma retoma, mas de forma mais lenta e partindo de uma base de valor muito baixa. Para os investidores, as exigências de qualidade dos activos ganham particular importância, com um enfoque particular na qualidade dos inquilinos e dos contratos de arrendamento.

Outros sectores, que “saíram a ganhar” da pandemia, e que estão a atrair um crescente interesse dos investidores em toda a Europa, são os sectores da logística, do residencial para arrendamento e da saúde.

Quanto aos ocupantes do imobiliário, deverão enfrentar maiores dificuldades com as expectativas de aumento de falências e do desemprego a estenderem-se até ao final de 2021 e eventualmente para 2022.

O impacto do teletrabalho no mercado de escritórios cristalizar-se-á em 2021. Não há dúvidas quanto a uma postura mais flexível por parte da maioria das empresas, e o seu impacto será sentido no imobiliário. Mas os ocupantes deverão também retomar em 2021 as estratégias de ocupação suspensas durante a pandemia, esperando-se uma retoma da procura na segunda metade do ano.

A ocupação dos imóveis de logística deverá manter-se forte em 2021, após um excelente ano em 2020 com crescimento forte de níveis de procura e de valores de renda.


Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *