2021 com novos desafios para o sector de Janelas, Portas e Fachadas

Por a 12 de Outubro de 2020

Cerca de 70% dos edifícios construídos em Portugal foram-no sem quaisquer requisitos de eficiência energética. Numa altura em que a Comissão Europeia mais do que quer duplicar as taxas de renovações, está aberto o caminho para novas políticas de apoio, que irão ter consequências ao nível da indústria, designadamente aquelas que estão afectas ao sector das Janelas, Portas e Revestimentos.
A questão foi tema de debate durante o encontro promovido pelo Expert Center para a envolvente Transparente do Edifício, para falar sobre as novidades e oportunidades para o sector em 2021. A iniciativa contou com participação com a participação da ANFAJE – Associação Nacional dos Fabricantes de Janelas Eficientes e da ADENE, entidade promotora do sistema de etiquetagem energética Classe +.

Foram apresentadas as iniciativas da Comissão Europeia no âmbito do Green Deal no âmbito do qual se preparam incentivos à renovação de edifícios um pouco por toda a Europa. Entre outras a estratégia verde da UE, integra a iniciativa Renovation Wave, que visa aumentar a taxa e a qualidade da renovação dos edifícios nos países que integram a UE e deverá passar pelo apoio regular e financeiro para, pelo menos, duplicar o valor anual da taxa de renovação do parque imobiliário existente. Em destaque estiveram também as iniciativas nacionais, designadamente o programa de apoio à renovação de Edifícios mais Sustentáveis e o Plano de Recuperação Económica de Portugal 2021-2027.

As empresas têm que se preparar 2021

Entre os desafios e as oportunidades, o Presidente da ANFAJE, referiu o caso concreto de Portugal, onde 70% dos edifícios foram construídos sem quaisquer requisitos de eficiência energética “pelo que temos enormes desafios e oportunidades”, sublinhou João Ferreira Gomes. Neste contexto, o responsável esclareceu ainda que o pacote de financiamento vai debruçar-se na redução do consumo dos edifícios, responsáveis por 40% do consumo de energia dos países da União Europeia.

Para o presidente da ANFAJE, o incentivo do Fundo Ambiental, já aberto para a troca de janelas, “é um primeiro teste, de tudo aquilo que pode ainda ser aprovado pelo Governo Português”, avançou. O responsável referiu-se ao Programa de Apoio Edifícios mais Sustentáveis, que prevê apoios financeiros para a tipologia ‘Janelas Eficientes’, com uma taxa de comparticipação de 70%, no limite máximo de 1.500 €. As candidaturas tiveram início no dia 7 de Setembro e decorrem até de próximo dia 31 de Dezembro (ou até esgotar a dotação prevista). A dotação deste Incentivo é de 1.750.000 €, em 2020, e de 2.750.000 €, em 2021.
Para João Ferreira Gomes este é, pois, o momento das empresas se prepararem e mobilizarem-se para as oportunidades de mercado que vão surgir.

Expert Center para a Envolvente Transparente do Edifício – automação, aço, alumínio, vidro, isolamento, sombreamento e ventilação – é um centro de conhecimento e experiência em janelas, portas e fachadas, do orçamento à instalação. É uma iniciativa pioneira em Portugal e um projecto conjunto de várias marcas especialistas em soluções técnicas para a construção que funciona como um centro de formação interativa. Na prática, reúne as melhores condições para experienciar todo o processo inerente à actividade diária do serralheiro: orçamentação, corte, maquinação, assemblagem, montagem do vidro e instalação em obra, à luz das boas práticas no sector.
O encontro contou ainda com a participação de Carolina Costa, responsável pelo sistema de etiquetagem energética CLASSE+ promovido pela ADENE, que se debruçou nos princípios da iniciativa, vantagens para as empresas do sector e procedimentos inerentes ao sistema de etiquetagem energética de janelas. Como referiu a especialista “sistema de etiquetagem CLASSE+ pretende promover escolhas informadas de produtos eficientes, contribuindo para a poupança e conforto nos edifícios”.

PUB

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *