Oficina do Brinquedo vai avançar em Valongo

Por a 14 de Julho de 2020

O município de Valongo vai investir 2,8 milhões de euros nos trabalhos de construção da Oficina de Promoção do Brinquedo Tradicional Português, um projecto há muito esperado e encarado como” um importante contributo para reforçar a estratégia de afirmação do concelho de Valongo não só na região, mas também no país e no Noroeste Peninsular”.
De acordo com o comunicado da autarquia liderada por José Manuel Ribeiro, a que o CONSTRUIR teve acesso, a intervenção vai nascer na antiga escola de Cabeda, em Alfena, e 85% do investimento a realizar assenta em fundos comunitários.
“Temos muita esperança neste projecto que vai associar a modernidade à memória e à tradição”, sublinha o município valonguense, que acrescenta que “a construção da Oficina de Promoção do Brinquedo Tradicional Português é uma peça fundamental para a promoção do Município de Valongo através das suas marcas identitárias”. “Mais do que recordar a história, este projecto pretende preservar o saber fazer de gerações com abordagens inovadoras”, sublinha José Manuel Ribeiro, presidente da Câmara Municipal de Valongo, referindo que “sejam de madeira, metal ou plástico injectado, ninguém fica indiferente aos brinquedos de outros tempos, que se fabricaram e ainda fabricam não só em Alfena mas também em Ermesinde”.

PUB

Dura batalha
Para o executivo municipal, “esta foi mais uma batalha dura que conseguimos ganhar, pois só podíamos avançar com uma obra desta envergadura com financiamento comunitário. Com este projecto, que foi o mais complexo de todos, vamos conseguir executar a 100 por cento o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Município de Valongo, financiado pelos fundos europeus do Programa Norte 2020”.

Congregação de vontades
Segundo José Manuel Ribeiro, “a criação da Oficina do Brinquedo Tradicional visa congregar a vontade dos artesãos, dos valonguenses e do poder local autárquico, traduzindo um sonho muito antigo da população local, com a necessidade de preservar e divulgar uma faceta muito importante da identidade cultural concelhia. O objectivo é dar a conhecer o património material e divulgar também o património imaterial juntando os que criaram e recriam os objectos, para incentivar partilhas intergeracionais. O brinquedo tradicional está vivo na memória de todos nós. O nosso objectivo é despertar recordações e pôr toda a gente a brincar”. A futura Oficina de Promoção do Brinquedo Tradicional Português terá trabalho ao vivo permanente, visitas guiadas interactivas, oficinas formativas, encontros temáticos, um núcleo de indústrias criativas ligadas ao brinquedo didáctico de madeira e serviços educativos. Serão recriados ambientes oficinais associados ao brinquedo de chapa e plástico e será incluído espólio museológico fora do comum.
Inspirado nas formas geométricas, o espaço incluirá uma galeria, bem como uma sala multiusos e a envolvente será adaptada para encontros de coleccionadores, workshops, arranjo de peças, actividades de dinamização através da acção das indústrias criativas e exposições temporárias de espólios pessoais.

Reforço da identidade
Com a intenção de “reforçar a identidade e dar continuidade a uma cultura viva” na antiga Escola Primária de Cabeda, onde também já funcionou a Casa da Juventude, haverá, para além da área expositiva, uma oficina com trabalho ao vivo permanente, um núcleo de indústrias criativas ligadas ao brinquedo didáctico de madeira e serviços educativos. Haverá uma galeria museológica que funcionará como uma espinha dorsal do projecto, dando ao visitante a possibilidade de acompanhar a evolução do brinquedo, em termos de formas e materiais. A interactividade estará também assegurada com vitrines móveis e terminais informativos. Há muito que este é um desejo adiado por parte das autoridades locais. Em 2016, aquando da apresentação pública do projecto, que estaria então sujeito à aprovação do respectivo financiamento comunitário, o presidente da Junta de Freguesia de Alfena, citado pelo portal “Verdadeiro Olhar”, assumia que “este é mais um passo na preservação e valorização do vasto espólio que será dos mais importantes a nível nacional”. “Esta oficina reunirá com dignidade a nossa história e aqui poderão ser construídos mais brinquedos”, acrescentou, salientando que “para os cépticos de sempre será um projecto que não será feito”. No entanto, Arnaldo Soares defende que só ficará esquecido “se assim o quisermos. Porque se quisermos honrar os compromissos, o projecto será concretizado”. Numa afirmação direccionada ao presidente da câmara, Arnaldo Soares pediu que ficasse a garantia da sua concretização e não que se diga que fica dependente de fundos comunitários. “Acreditámos que quando o Homem quer a obra nasce. Nós queremos”, rematou.

PUB

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *