Portugal lidera Turismo Residencial Europeu

Por a 6 de Junho de 2018

Um estudo independente, comissionado pela Associação Portuguesa de Resorts (APR) e cofinanciado pelo COMPETE 2020, atribui a Portugal e aos resorts portugueses o primeiro lugar numa avaliação de 26 empreendimentos de turismo residencial em 9 países, segundo 54 critérios em 10 categorias.

De acordo com um comunicado de imprensa enviado ao CONSTRUIR pela APR, os critérios de avaliação foram agrupados em 3 categorias micro, nível dos projectos e empreendimentos, e 7 categorias macro, nível do País. A cada critério foi atribuída uma ponderação que, garante a mesma fonte, “reflecte a importância que um comprador/investidor tipicamente lhe atribui.”
Nesse sentido, nos critérios das categorias macro, Portugal obteve 63,4 pontos seguido por Chipre (62,3), Espanha (57) e Turquia (56,4). Nota para o facto de o nosso melhor desempenho estar nas categorias “Regime Fiscal e Incentivos” – especialmente no critério Custos de Aquisição de Propriedade –, “Governança Mundial” – que inclui critérios como Estabilidade Política, Qualidade Regulatória, ou Controlo da Corrupção –, e “Facilidade de Negócios” – incluindo: Iniciação de Negócio, Licenças de Construção, Pagamento de Obrigações Fiscais, e Cumprimentos de Contratos, e uma taxa de desemprego inferior à média dos países analisados.
Ao nível dos empreendimentos, critérios das categorias micro, lideram os resorts portugueses com 34,6 pontos, seguidos dos da Turquia (33,2), Chipre (29,1) e Espanha (28,8). Segundo a APR, o produto nacional de turismo residencial destaca-se nas categorias “Oferta” – que inclui Características, Serviços, número e qualidade de Campos de Golfe, e Estado de Desenvolvimento –, “Procura” – especialmente os preços de venda apelativos e a variedade de nacionalidades dos compradores –, e “Acessibilidade e Popularidade” – que inclui critérios como proximidade do mar, distância de aeroportos e de centros urbanos.
Contudo, apesar da posição de liderança, são identificados importantes desafios. “Portugal não apresenta bons resultados nos indicadores Económicos e Demográficos, com um crescimento abaixo da média dos países estudados, e crescimento negativo da população de -0,2% anual entre 2006 e 2016, abaixo da média de +0,3%. Por outro lado, Portugal é visto como sendo um mercado de preços baixos pelo que produtos de maior qualidade podem ser considerados caros dentro do próprio mercado, ainda que muito competitivos internacionalmente. Outros países mediterrâneos estão a dar grande prioridade a ofertas culturais, de natureza, bem-estar, etc., que Portugal está especialmente bem posicionado para desenvolver e que não pode deixar atrasar”.De acordo com o estudo, conclui-se também que, comparativamente aos seus principais concorrentes, Portugal tem uma presença ainda tímida nos grandes eventos internacionais de turismo residencial.

O trabalho de campo, realizado pela Savills International durante o segundo semestre de 2017, abrangeu a análise das tendências de oferta e procura, bem como as estratégias de marketing e vendas utilizadas a nível nacional, regional e de cada projecto. As fontes de informação utilizadas incluem serviços estatísticos, entrevistas directas com associações, agentes e responsáveis de vendas e marketing nos respectivos países, entidades como a OCDE, Banco Mundial, FMI, World Economic Forum, e agências de estatísticas e rating globalmente reconhecidas como a Eurostat, S&P, Moody’s e Fitch.

Recorde-se que a APR-Associação Portuguesa de Resorts é uma associação sem fins lucrativos, de defesa dos interesses de resorts, empreendimentos turísticos de qualidade e entidades ligadas ao sector do Turismo Residencial em todo o território nacional. As actividades da Associação incluem a realização de estudos e estatísticas sectoriais, a realização ou participação em eventos comerciais internacionais e a disseminação do conhecimento e experiência adquirida.
PUB

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *