Trienal lança programa “Close, Closer”

Por a 17 de Setembro de 2012

A organização da Trienal de Arquitectura de Lisboa deu a conhecer na sua sede o programa da edição que se avizinha. Subordinada ao tema “Close, Closer”, a 3ª edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa irá decorrer de 12 de Setembro a 15 de Dezembro de 2013 alicerçada num programa de exposições, debates, instalações e performances, que convida a explorar a arquitectura enquanto: “prática dialogante que integra várias disciplinas e agentes; prática que estrutura espaços que são sociais, culturais, estéticos e identitários; prática de construção mas não necessariamente de edificação; método de pensar, discutir e desenhar soluções”.

De acordo com a Trienal de Arquitectura de Lisboa a abordagem de “Close, Closer” vai excluir as formas edificadas, por este ser um “âmbito reconhecido mas redutor da arquitectura, sobretudo no clima socio-económico da actualidade”, lembrando que “face aos constrangimentos da crise, os modos tradicionais de construção dão lugar à inovação e à colaboração multidisciplinar na busca de alternativas”.

Nesse sentido, em paralelo com esta linha curatorial, a Trienal de Lisboa propõe iniciativas como um programa de bolsas para projectos de cariz cívico, um concurso para estudantes, um prémio para jovens arquitectos e um convite à participação para a comunidade criativa nacional e internacional.

De acordo com a Trienal, “Close, Closer vai aproximar o público da prática real da arquitectura contemporânea, revelando o impacto e potencial da sua actuação no espaço humano, social e político”.

Nesta terceira edição, que acontece num contexto de contração, cortes e escassez de recursos, a Trienal propõe “olhar a arquitectura como uma plataforma para gerar soluções e estratégias, convocando à discussão e participação no desenho de um espaço – e um futuro – partilhado”.

Neste contexto de proximidade e acessibilidade “Close, Closer” apresenta quatro projectos de curadoria que incidem sobre domínios distintos da prática espacial. São eles: “Futuro Perfeito” – “um exposição em forma de laboratório do futuro onde equipas de competências mistas imaginam a cidade do amanhã, partindo

de um olhar necessariamente crítico sobre aquelas que actualmente habitamos”. “A Realidade e Outras Ficções” – uma exposição constituída por instalações à escala 1:1, totalmente funcionais, “que explora a estranheza de um lugar situado entre realidade e ficção”; O “Fórum Novos Públicos” apresenta um programa de debates, intervenções e performances realizado em espaços públicos da cidade e aberto à

participação; e por último “Efeito Instituto”, que convida várias instituições a desenhar uma curadoria rotativa no MUDE/Museu do Design e da Moda.


Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *