Orizon investe 135Me no “The Vyneards”

Por a 19 de Outubro de 2007

Um dos maiores empreendimentos turísticos da Região Oeste vai avançar com a terceira fase do projecto. Um investimento de 135 milhões de euros que vai aumentar o campo de golfe para 27 buracos e explorar as vinhas existentes no local"The Vyneards by CampoReal" é a terceira fase de um projecto que representa uma grande transformação na zona em que está implementado. A próxima fase deste empreendimento turístico será implementada na Quinta do Manjapão, representando uma área total de 73 hectares, e implementará um plano urbanístico que terá em consideração todos os elementos envolventes, como as actividades da região ou até a sua geografia.

A construção arrancará no início do próximo ano, e segundo Eduardo Netto de Almeida, presidente da Orizon, "este segundo projecto é sem dúvida uma extensão do CampoReal". A inovação está também presente no conceito da nova unidade hoteleira, "um empreendimento que procurámos inovar", afirmou o presidente da Orizon, referindo-se às vinhas que serão preservadas.

"The Westin CampoReal Golf Resort & Spa" é o primeiro hotel da marca Westin, pertencente à Starwood Hotels & Resorts, em Portugal. Aberto desde dia 1 de Agosto deste ano, inaugurou oficialmente no passado dia 4 de Outubro. Com um hotel de 151 quartos, 203 quartos nos apartamentos e moradias em banda e quatro moradias isoladas, este empreendimento totaliza uma oferta total de 358 quartos. Com um investimento total de 125 milhões de euros, o CampoReal teve uma resposta muito positiva dos investidores, excedendo as expectativas iniciais dos promotores.

Localizado a 30 minutos de Lisboa e a 20 minutos da Costa de Prata, o Turcifal é a localidade que acolhe o empreendimento da Orizon. A Quinta do Manjapão é descrita pela memória descritiva do projecto como, "um mosaico agrícola de grande diversidade, sobre um suporte de relevo irregular, de uma forma geral não muito vigoroso, sulcado por algumas linhas de água, com vales geralmente abertos e por uma grande profusão de caminhos e vias de comunicação". Desta forma, este local constitui uma "área de eleição natural para a respectiva ampliação", sendo que os aspectos morfológicos e paisagísticos das quintas também são relevantes, visto que a Quinta da Ribeira (onde foi implantado o CampoReal), e da Quinta do Manjapão já terem sido uma só no passado.

Envolvente e preocupações

Este empreendimento segue um Pano Geral que se estruturou com base na morfologia do lugar, evitando movimentação de terras e minimizando as alterações da paisagem, bem como as perturbações da envolvente ambiental nas suas diversas vertentes, dando continuidade ao projecto turístico já iniciado. O objectivo é fazer uma distribuição o mais uniforme possível das várias tipologias de alojamento turístico previstas nas áreas dos núcleos edificados.

O objectivo de todo este investimento é, então, "dar corpo a um único empreendimento que se possa constituir, pela sua dimensão, qualidade, gestão profissional e posição no mercado internacional, verdadeiramente estruturante para a criação de uma oferta turística de qualidade, na região em que se insere". Além disso, existirá um cuidado especial com a preocupação ambiental que abrangerá a eficiência energética, o aproveitamento de energia solar, construção ecológica com emissão de baixos índices de carbono e certificação Audubom Internacional Silver Signature Program Member.

"O volume do investimento irá depender do ritmo das vendas. Seguramente que no início de 2008 iniciaremos a primeira fase de construção", referiu Eduardo Netto de Almeida ao Jornal de Negócios. O Construir apurou que este empreendimento turístico "The Vyneards" totalizará um investimento de 135 milhões de euros e irá integrar um conjunto de 328 unidades de alojamento em moradias turísticas, um hotel com 70 quartos e um hotel de apartamentos com 90 quartos.

Ao nível das infra-estruturas, este projecto irá incluir um restaurante/bar para 50 pessoas, uma extensão do campo de golfe em nove buracos, campos de ténis, parque infantil, piscinas, lavandaria, mini-mercado e uma livraria. Desta forma, o projecto integrado do "Conjunto Turístico CampoReal" incluirá dois hotéis de cinco estrelas, um aparthotel, 27 buracos de golfe, 700 unidades complementares de alojamento turístico, uma mata, três hectares de vinha em exploração, dois pólos comerciais e um centro hípico

A proximidade com Lisboa e com o aeroporto da Portela, as acessibilidades, a inserção numa Região de Turismo de grande qualidade a vários níveis, estar rodeado por um importante conjunto de campos de golfe de grande qualidade e o clima, são alguns dos factores de realce que a Orizon utiliza para justificar o interesse neste local onde implementou os seus hotéis.

As características hidrográficas e topográfico-vegetativas deste local, associadas às suas delimitações, determinam em grande medida o desenho preliminar do campo de golfe que se apresenta. Os vales da localidade, que marcam a topografia do local, são factores determinantes na implantação e orientação dos buracos e no percurso associado ao campo de golfe.

Mais-valias do projecto

Num contexto regional, todo o empreendimento turístico atribui uma "elevada mais-valia" tanto a nível económico como a nível social, desde que ambientalmente enquadrado, numa área como esta que assume uma posição crítica neste contexto, refere a sua memória descritiva. "Deste modo, considera-se que a introdução deste tipo de empreendimento é uma forma de recuperação de áreas actualmente condenadas a um progressivo abandono, funcionando simultaneamente como elemento dinamizador da actividade económica local, enquadrado numa perspectiva de desenvolvimento sustentado", acrescenta.

Outro dos aspectos apontados, é que este empreendimento representa uma alteração para as actividades económicas desenvolvidas na freguesia até hoje, substituindo a agricultura pelo turismo e lazer. Netto de Almeida acredita que o hotel a ser construído na terceira fase deste projecto será assegurado pela Starwood, à semelhança do CampoReal. "Seguramente será um hotel de outra marca e por certo iremos estender a parceria com a Starwood", afirmou. O objectivo é construir uma unidade com 70 quartos inseridos num conceito de boutique hotel, "com uma categoria tão boa como o Westin".

O vinho será um factor fundamental deste projecto. Situado no meio das vinhas, o empreendimento não descurará do conceito que o rodeia, tendo uma ligação especial com a vinha. "Vamos iniciar um projecto específico ligado ao vinho e à vinha no CampoReal. Queremos ter vinha em exploração e queremos ter os clientes envolvidos", explica o presidente da Orizon que se revela convicto que os clientes quererão beber este vinho pelo menos uma vez, além disso, são 25 hectares de vinha que poderão produzir também para comercializar no exterior.

Os princípios pelos quais o The Vyneards pretende seguir assentam na baixa densidade, em blocos de apartamentos transformados em vivendas geminadas T2, produtos de qualidade com baixos preços de entrada além de pretender construir um grande número de vivendas com piscina privativa.

Os preços iniciais de venda das villas situaram-se entre os 610.019 e os 800.014 euros, a venda dos apartamentos situou-se entre os 222 mil e os 315 mil euros e as vivendas geminadas atingiram valores de venda entre os 347.400 e os 396 mil euros. A Orizon já está a analisar novos projectos, podendo ser o Oeste novamente o escolhido. "Queremos arrancar com mais de três projectos dentro de dois a três anos", afirmou Eduardo Netto de Almeida.

PUB

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *