Efeitos da crise no mercado de crédito chegam a Portugal em 2008

Por a 4 de Outubro de 2007

28 imobiliario Parque nações

O mercado imobiliário português "está de boa saúde", embora seja expectável que a crise no mercado de crédito hipotecário norte-americano se faça sentir já no próximo ano.

Contudo, "o claro interesse por parte de investidores nacionais e estrangeiros, bem como as várias negociações em curso, fazem adivinhar mais um ano de excepção, no que a transacções de investimento se refere".

De acordo com a 9ª edição do Markbeat Portugal, um estudo realizado semestralmente pela consultora imobiliária Cushman & Wakefield (C&W) que incide sobre os mercados de escritórios, retalho, industrial, hotelaria, investimento e, pela primeira vez, de residencial, "apesar da actividade modesta deste primeiro semestre, as expectativas apontam para um fecho de ano a atingir mais um máximo histórico em volume de negócios, sendo expectável ultrapassar-se a barreira dos 1.000 milhões de euros".

De uma forma geral, as conclusões tiradas pelo estudo mostram um maior dinamismo nos vários segmentos, continuando o retalho a apresentar um forte nível de actividade, os escritórios a perspectivar um ano de ocupação recorde, o industrial a registar um ligeiro acréscimo, o hoteleiro à beira de atingir um novo marco e o residencial turístico a aparecer como um mercado de enorme potencial em Portugal.

Ao nível do retalho, a C&W revela que o primeiro semestre de 2007 foi marcado por um grande dinamismo, mantendo-se o interesse por parte dos retalhistas.

O mercado de escritórios em Lisboa registou uma procura essencialmente impulsionada pelas multinacionais, e uma diminuição generalizada das taxas de desocupação.

No segmento industrial foram anunciados nos últimos meses vários projectos, o que ajudou ao acréscimo de actividade, aliado à parceria, na próxima década, entre o estado português e promotores privados através do programa Portugal Logístico.

O mercado de investimento hoteleiro tem apresentado algumas novidades nos últimos tempos, nomeadamente a apresentação regular de novos projectos de remodelação/ampliação de unidades existentes, e reposicionamento de unidades e marcas.

Ao nível do mercado residencial, "as expectativas apontavam para uma recuperação do mercado residencial urbano também no segmento médio", contudo, a recente crise no mercado imobiliário americano aliado às expectativas de alargamento da crise às economias europeias, levantam algumas dúvidas quanto à verdadeira recuperação deste mercado.

Quanto ao residencial turístico, o mesmo apresenta-se como um mercado com um enorme potencial em Portugal, "sendo vários os casos de sucesso comprovado".

PUB

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *