Especulação imobiliária nos EUA com riscos reduzidos

Por a 12 de Dezembro de 2006

De acordo com as autoridades americanas e organismos internacionais não há risco de uma crise generalizada, na sequência da bolha especulativa no mercado imobiliário dos Estados Unidos. Segundo apurou o Público, o efeito de arrefecimento sobre a economia dos EUA será diminuto.

Em Outubro o número de casas vendidas nos EUA foi 25 por cento inferior ao do mesmo mês no ano anterior. Este foi também o nono mês consecutivo em que a queda das vendas de casas foi superior a 10 por cento. Desde 1991 que tal não acontecia.

São várias as observações na imprensa americana que dão conta da deterioração do negócio imobiliário . Estas apontam para factores como, menos compradores, é mais difícil colocar casas à venda, e as construtoras estão a investir menos.

De acordo com o FMI o efeito de uma crise imobiliária nas economias industrializadas poderia traduzir-se numa quebra de 10 por cento, que teria um impacto negativo de 1 por cento sobre o consumo. Alan Greenspan, antigo presidente da FED, desdramatiza dizendo que a «economia está a atravessar um abrandamento significativo que deverá ser temporário», acrescentando que «o imobiliário está apenas a atravessar um ajustamento».

PUB