Governo quer revitalizar centros históricos criando intelligent cities

Por a 7 de Julho de 2006

De acordo com o Jornal de Negócios, a nova política nacional de cidades do Governo assenta na criação de intelligent cities (centros urbanos inteligentes), de forma a dinamizar os centros históricos e relançar a economia regional. Para esse efeito, estão em preparação um conjunto de apoios às cidades portuguesas que queiram aderir a este projecto, que conta até à data com as candidaturas espontâneas das cidades de Guimarães, Viana do Castelo e Vila Nova de Gaia, adianta o Jornal de Negócios. Segundo a mesma fonte, a comissão de acompanhamento do projecto, que está incluído no programa comunitário Interreg III, encontrou-se ontem em Guimarães, para discutir os critérios de selecção de novas candidaturas. Catarina Selada, directora de projectos da Inteli, um dos parceiros do projecto, referiu ao Jornal de Negócios que, «o objectivo final deste projecto é regenerar a malha urbana através dos chamados innovation hubs (espaços de inovação), ou seja, levar para os centros históricos, parques de conhecimento e inovação que até agora têm estado na periferia». Além da Inteli estão envolvidos neste projecto o ministério do Ambiente, através do departamento de Prospectiva e Planeamento (DPP) e da Direcção-geral de Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano (DGOTDU), a espanhola Fundación Metrópoli, a holandesa INTA e a inglesa Universidade de Cardiff.

PUB