Projectos turísticos para Porto Santo multiplicam-se

Por a 29 de Julho de 2005

Porto Santo

Serão investidos cerca de 250 milhões de euros em apenas dois projectos. O objectivo será dinamizar a economia nacional e qualificar a aposta no turismo da Região Autónoma da Madeira

PUB

A componente turística na Região Autónoma da Madeira deverá conhecer, nos próximos anos, um considerável impulso, a avaliar pelos recentes anúncios de investimentos e obras que começam a ser executadas. Um desses projectos incide sobre Porto Santo e está avaliado em cerca de 113 milhões de euros, um esforço que será conjugado entre organismos públicos e entidades privadas, a avaliar pela apresentação feita pelo ministro da Economia, Manuel Pinho, em relação aos Projectos de Potencial Interesse Nacional.

Integrado no programa de projectos turísticos estruturantes de base regional (PITER), o empreendimento contempla a criação de duas novas unidades hoteleiras e a ampliação de um aparthotel, isto no que diz respeito à iniciativa dos parceiros privados. De domínio público será a construção de um centro de férias e de exposições, o parque de campismo, um passeio dunar e a recuperação do Ilhéu da Cal. Há hora do fecho desta edição, estavam previstas reuniões entre as diversas autoridades envolvidas no projecto, afim de acertar detalhes em relação à execução do projecto para este conjunto de estruturas.

O investimento, promovido pela Sociedade de Desenvolvimento de Porto Santo (SDPS), será repartido entre os 80 milhões de euros provenientes do sector privado e os 30 milhões de organismos públicos, apostados que estão na dinamização do potencial turístico de Porto Santo.

A primeira fase da candidatura havia já sido aprovada em Dezembro de 2004 pelo então ministro do Turismo, Telmo Correia. Na altura, o governante anunciou que o objectivo das verbas disponibilizadas incidia sobre a intenção de transformar Porto Santo num «destino de resort», não só através do redimensionamento da oferta como pela sua requalificação.

Os objectivos desta proposta são claros. Segundo a apresentação do projecto feita pelo executivo de Sócrates, as metas passam por conseguir atingir uma dimensão crítica para suportar a atractividade turística nacional e internacional, modificar o perfil da sazonalidade do Porto Santo através da redução da dependência dos factores «sol» e «praia» bem como a conquista de novos mercados de origem. E há margem deste projecto estão também a surgir outros que atestam o crescimento do segmento turismo no seio da construção.

Colombo’s na calha

De lembrar que já começou a primeira fase de construção do Colombo’s Resort. O complexo, promovido pelo grupo Siram, representa um investimento total de 125 milhões de euros, e deverá estar concluído até 2008.

Este projecto contempla a construção de uma unidade hoteleira de cinco estrelas, cinco zonas habitacionais, áreas de restauração, piscinas, um casino e 92 mil metros quadrados de áreas verdes, características reveladoras do investimento que tem sido feito para optimizar o turismo na região. Luisa Perestrelo, directora de promoção Turística da Madeira, salientou que «o Porto santo é uma região com um enorme potencial de crescimento», e que aquela zona tem uma capacidade de 30 mil camas neste momento, valores que serão fortemente incrementados após a conclusão dos projectos em curso.

Aquela responsável considera mesmo que quer o PITER, quer o Colombos’s Resort são «projectos importantíssimos para o Porto Santo, da mesma forma que qualquer outro projecto do género, desde que as regras sejam respeitadas».

A ideia também já havia sido manifestada pelo presidente da câmara de Porto Santo. Para Roberto Silva, o anúncio de investimentos para Porto Santo apresentado pelo executivo, «é o reconhecimento da importância estratégica no contexto do sector turístico em Portugal, o que, aliás, também já havia sido reconhecido por outros governos da República, porém só agora concretizado».

Interesse nacional

O Piter de Porto Santo, encarado como um dos projectos de potencial interesse nacional, pela capacidade que vai gerar de atrair capital e atrair visitantes ao território, não é, na sua essência um projecto recente. A sua análise está a ser feita há cerca de dois anos, período que contudo deverá conhecer um fim próximo em virtude das intenções manifestadas pelo executivo de Sócrates.

O Turismo é uma das áreas que mais vai sair beneficiada com o plano de investimentos de 25 mil milhões de euros anunciados pelo primeiro-ministro. De acordo com o documento apresentado, a carteira de projectos relacionados com este sector ascende aos 1,5 mil milhões de euros, um valor que, de acordo com a Agência Portuguesa para o Desenvolvimento, se situa abaixo dos 2,5 mil milhões inicialmente previstos para projectos turísticos.

PUB